"Têm de levar mais, filhos da puta, morram." Ativistas antitourada agredidos em Albufeira

Vídeos mostram agressões a ativistas quando já dominados pela GNR, que é acusada de não ter identificado agressores e de manietar uma das ativistas e apagar conteúdo do seu telefone. Sexta-feira há outra tourada e está convocado novo protesto

"Filho da puta, filho da puta! Tens alguma coisa de vir para aqui? Não gostas, vai para casa!" Os gritos ouvem-se durante um curto vídeo filmado na quinta-feira, 9 de agosto, na praça de toiros de Albufeira. Nas imagens, um dos corredores que faz a ligação entre a arena e o exterior. Nele passam três homens, um dos quais de tronco nu, com dizeres nas costas, que caminha dobrado, algemado, conduzido por um militar da GNR. Durante o curto percurso, o detido é pontapeado duas vezes, nas costas e no peito, por dois homens, sem que o militar esboce gesto ou advertência. Um peão de brega, capa na mão, e um forcado assistem, assim como várias outras pessoas. Ninguém tenta parar as agressões; ninguém protesta. Passa outro detido, também de tronco nu com escritos, também agarrado por militar da GNR. Um homem, cabelo grisalho e camisola escura, aproxima-se a correr e com uma bandarilha desfecha três golpes no detido, na cabeça e nas costas. A seguir volta para trás, calmamente, sem que alguém o interpele.

"Stop torture"; "Stop bullfight"; "Love animals"; "Tourist boycott". São as palavras de ordem que os detidos escreveram no peito e nas costas, para uma ação em que um deles, o holandês Peter Janssen, 33 anos, é veterano e diz dirigir-se aos turistas ("Convencer os aficionados é impossível, não mudam de posição", explica). Ativista do Vegan Strike Group, grupo de defesa dos direitos dos animais, repetiu-a em várias praças de touros - fala em 40 ações - desde 2015: Campo Pequeno, Huelva, Bogotá. Nesta última cidade, em 2016, feriu duas pessoas acidentalmente num salto para arena que não correu bem: ele próprio partiu um braço.

"Os ativistas ficaram muito maltratados, apesar de os polícias terem tentado protegê-los. Um GNR até ficou com dedos partidos."

Expulso da Colômbia pelo feito, Janssen, que notícias afiançam ser objeto de vários processos por atividades idênticas, foi em Albufeira acompanhado, na invasão da arena, por dois ativistas portugueses, Artur Nascimento e Hélder Silva. Invadiram a arena após a lide do primeiro touro, depois de este ser retirado e quando a cavaleira Ana Batista se preparava para a volta de triunfo à arena. De imediato perseguidos por dois militares da GNR e vários outros homens, foram rapidamente apanhados e levados para fora da praça, sob o aplauso dos espectadores. E, como descrito, repetidamente agredidos no corredor.

"Vi dois homens a bater numa mulher"

Mas as agressões não ficaram por aí. Mónica Gaspar, 42 anos, que gere um restaurante e uma loja veganos (isentos de qualquer produto animal) em Albufeira, e que se encontrava na rua junto à praça de touros, viu "cerca de 20 pessoas com paus de madeira, bandarilhas, etc. a bater nos ativistas e nos agentes. Havia um homem que creio estar ligado ao toureio a cavalo a incitá-los: "Têm de levar mais, filhos da puta, morram." Fui dizer para pararem e dois agarraram-me pelos colarinhos, bateram-me na cara, deram-me pontapés."

Valeu a Mónica um grupo de lisboetas em passeio. "Vinha com a minha mulher, as minhas filhas e um casal amigo a passar e vi dois homens a bater numa mulher, a agredi-la brutalmente, a murro. Iam caindo para cima do carrinho de bebé da minha filha mais nova, que tem 7 meses, obrigando-me a fugir para o meio da estrada. Deixei o carrinho com a minha mulher e agarrei o homem, puxei-o para parar de bater na rapariga." Quem fala é Pedro Pereira, 35 anos, assistente operacional na Câmara de Lisboa, de férias no Algarve. "Mas aí apareceram vários a agarrar-me - cheguei a ter quatro à minha volta - e a tentar bater-me. Ainda consegui desviar-me, tenho um metro e oitenta e sou ágil, mas veio um por trás que me bateu com um pau e me abriu a cabeça."

"Vi uma mulher a ser agredida e reagi. Só tenho pena de não poder identificar a pessoa que me partiu a cabeça."

A mulher viu quem foi e com o quê: "Ela acha que era um tipo que estava com os toureiros, porque me agrediu com uma escova dos cavalos. Mas quando pedimos à GNR, que entretanto tinha chegado, para ir à praça e ao pé dos camiões dos cavalos tentar encontrá-lo - ele fugiu depois de me bater -, não se dispuseram a isso." Pedro acabou a noite no hospital para lhe coserem a cabeça, pagando quase 70 euros pela consulta e curativo. "Não estou nada arrependido, tenho a consciência tranquila. Vi uma mulher a ser agredida e reagi. Só tenho pena de não poder identificar a pessoa que me partiu a cabeça."

"Tirem-me daqui esta gaja senão prendo-a"

Não há, que se saiba, imagens das agressões na rua. Carla Sananda, 41 anos, poderá ter ou não filmado e fotografado essas cenas - não o revela ao DN -, mas acusa a GNR de lhe ter apagado o conteúdo do telefone. Esta professora de ioga, mulher de um dos ativistas detidos (Artur Nascimento), comprou ingresso para a tourada para assistir à ação e registá-la. "Tirei fotos e filmei. Aquilo ficou muito feio. Eles [os ativistas] ficaram muito maltratados, apesar de os polícias terem tentado protegê-los. Aí foram impecáveis, um GNR até ficou com dedos partidos por tentar defendê-los."

Os elogios à polícia param aqui, porém. "Quando cheguei à rua estavam muitas pessoas, pró-tourada, muito exaltadas. Afastei-me um pouco e estava a ligar para uma amiga a tentar perceber onde ela estava quando uma mulher ligada à empresa da praça me tirou o telefone e disse aos GNR - entretanto tinham chegado reforços - que eu estava a filmar. E um deles em vez de me perguntar alguma coisa fez-me logo uma chave ao pescoço. Veio outro que me dobrou, pôs-me a cabeça nos joelhos. A seguir um deu-me o telefone de volta, dizendo que tinha apagado tudo." Carla, que se descreve como tendo um metro e 54 e 47 quilos, conta que respondeu ao militar: "Não pode fazer isso, sei os meus direitos." Este terá começado a empurrá-la com o peito, altura quem ela lhe terá perguntado "mas é um militar ou um civil?" Aí, continua a narrativa de Carla, o polícia tê-la-á tratado por tu e dito "tirem-me daqui esta gaja senão prendo-a".

"Um dos GNR fez-me logo uma chave ao pescoço. A seguir um deles deu-me o telefone de volta, dizendo que tinha apagado tudo."

"Hematomas na cabeça e no pescoço, luxação no ombro." Carla lê ao telefone o relatório médico sobre as marcas da ação policial. Vai, assevera, apresentar queixa contra a mulher que lhe tirou o telefone e contra a GNR por lho ter apagado e pela brutalidade de que foi alvo. "Nunca na vida estive numa situação parecida. Fez-me sentir que se deve formar a GNR para proteger as pessoas, não para agredir. Descontrolaram-se completamente. Estava à espera de que me protegessem ou pelo menos falassem comigo de forma diferente. Senti-me abusada."

Contactado pelo DN, que lhe remeteu uma série de perguntas por e-mail, o Comando Nacional da GNR não esclareceu quantos efetivos tinha na praça de touros e em que tipo de serviço (oficial ou gratificado), quantos compareceram em reforço, nem se identificou agressores. Quanto ao número de queixas apresentadas, refere apenas a de "uma manifestante, que não esteve envolvida na invasão do recinto", a qual "apresentou queixa por ofensas à integridade física contra desconhecidos" (refere-se a Mónica). E sumariza assim o sucedido: "No decorrer do evento de tauromaquia verificou a existência de confrontos físicos entre aficionados e ativistas, o que obrigou à intervenção da GNR, no sentido de garantir a integridade física dos manifestantes. O Comando Territorial de Faro mobilizou os meios necessários para repor a ordem pública."

Confirmando que "no decurso desta ocorrência, e no momento em que se garantia a proteção de um dos invasores, um militar sofreu ferimentos numa das mãos", sobre a situação relatada por Carla Sananda o relato do Comando é este: "No exterior do recinto, a GNR foi chamada a intervir devido a um conflito existente entre duas mulheres, motivado pela posse indevida de um telemóvel, tendo o mesmo sido recuperado pelos militares e devolvido à legítima proprietária." As perguntas do DN sobre a agressão de que Carla diz ter sido vítima por parte dos agentes, assim como sobre a ameaça de detenção e o alegado apagar do conteúdo do telefone por um deles não mereceram qualquer comentário. Também a questão "há alguma circunstância em que a GNR considere poder legalmente apropriar-se de um telefone de um cidadão e apagar conteúdos?" ficou sem resposta.

"Aficionados mostraram grande tolerância"

O DN contactou a empresa que gere a Praça de Toiros de Albufeira, mas esta remeteu qualquer esclarecimento para o porta-voz da Protoiro/ Federação Portuguesa de Tauromaquia, Hélder Milheiro. Este disse ao DN ter assistido ao espetáculo sentado "ao lado da empresária da praça", comunicando a sua visão do ocorrido: "O que aconteceu foi uma ação provocatória de um grupo vegano de assalto. Este é um grupo sediado em Espanha pago por fundos internacionais de origem desconhecida e que se dedica a ações deste tipo: provocar ações de distúrbio e apresentar-se como vítimas." Como assim? "Têm o objetivo de provocar alguma reação menos adequada, porque estamos a falar de atitudes provocatórias, num contexto de boicote." E terá sido o caso? "Não, os aficionados deram mostra de grande tolerância e respeito."

"Se algum excesso aconteceu é reprovável. Mas não vou colocar estes mercenários internacionais como pequenas vítimas. Trata-se de uma acção provocatória e atentatória dos direitos dos outros cidadãos."

Há imagens que mostram os ativistas, já algemados, a ser agredidos dentro da praça. "Lamentamos qualquer excesso que tenha acontecido. A existirem agressões lamentamos e reprovamos." Mas estando presente não viu nada excessivo? Não ouviu falar de agressões? Houve até a necessidade de chamar reforços policiais. "Fiquei na bancada e a empresária também. Aquilo que recomendamos quer aos aficionados quer aos empresários é que reajam serenamente." Acha que houve essa serenidade? "Não creio que tenha havido a serenidade desejável. Mas estamos a falar de um crime semipúblico." A que crime se refere? "A empresa apresentou queixa por danos e porque houve um número significativo de pessoas que saíram e quiseram o dinheiro do bilhete de volta." E como qualifica a ação de quem agride pessoas que estão incapazes de se defender e sob guarda policial? Não é crime? "Não sou jurista para saber se é crime. É reprovável e inadmissível." E não será cobarde? "Não vou estar aqui a usar adjetivos. Se algum excesso aconteceu é reprovável. Mas não vou colocar aqui de repente estes mercenários internacionais como pequenas vítimas. Trata-se de uma ação provocatória e atentatória dos direitos dos outros cidadãos."

Obviamente que as ações do Vegan Strike Group são fora da lei, reconhece Mónica Gaspar. "Estar a invadir espaço alheio e desestabilizar vai ter uma reação. E tudo o que gera violência não é bom. Não é assim que devemos mostrar o nosso ponto de vista. Devemos agir dentro da lei e com respeito pelos outros. Eu faço ativismo todos os dias no meu restaurante, nas minhas palestras. E tenho família no Montijo e em Alcochete, eles gostam de ver touradas e eu respeito e eles respeitam-me a mim."

"Quando disse que queria ir ao interior da praça com escolta para identificar quem me bateu, os GNR disseram que era perigoso e recusaram."

Militante da causa animal há muito e integrada no movimento antitourada "há cerca de dois anos", não é a primeira vez que Mónica se sente em perigo. No ano passado, numa manifestação à porta da mesma praça, lançaram um petardo na sua direção. "Ainda não sei nada dessa queixa. Quando a fui apresentar um agente da GNR tentou dissuadir-me, insistiu que não ia dar em nada." Suspira. "E desta vez quando apresentei queixa disseram-me que não tinham a identificação do senhor que me ajudou, o Pedro Pereira. Vi-o ser identificado por uma agente, que tomou nota dos dados dele, mas perderam-nos. Agora vou ter de fazer um aditamento à queixa. Acho isto incompreensível."

E não é tudo: "Quando disse que queria ir ao interior da praça com escolta para tentar identificar quem me bateu responderam que era perigoso e recusaram. Aliás, nem identificaram as pessoas que bateram no senhor que me acudiu." Como interpreta isso? Hesita. "Há poderes aqui em Albufeira, sabe? É complicado. Amanhã vai haver outra tourada e vamos fazer um protesto. Estive a falar com a GNR e garantiram-me que vão tomar medidas e que é seguro eu ir. Disseram-me também que se me acontecer algo ou à minha loja para os avisar. Portanto depois do mal aviso-os? Respondi que se calhar vou pedir licença de porte de arma."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".

Premium

António Araújo

Virgínia, a primeira jornalista portuguesa

Estranha-se o seu esquecimento. É que ela foi, sem tirar nem pôr, a primeira jornalista portuguesa, a primeira mulher que exerceu a profissão de repórter nos moldes que hoje conhecemos. Tem o seu nome nas ruas de algumas localidades (em Lisboa, no bairro de Caselas), mas, segundo sei, não é sequer recordada pela toponímia da sua terra natal, Elvas, onde veio ao mundo às cinco da madrugada do dia 28 de Dezembro de 1882. Seu pai era oficial de Cavalaria, sua mãe doméstica (e também natural de Elvas), seus irmãos militares de fortes convicções republicanas; um deles, Carlos Alberto, chegou a estar na Rotunda em Outubro de 1910 e a combater as tropas de Couceiro por bandas de Trás-os-Montes.

Premium

Marisa Matias

É ouro, senhores

Chegar à União Europeia não é igual para toda a gente, já se sabe. Em vários países da União Europeia - treze mais em concreto - ter dinheiro é condição de porta aberta. Já se o assunto for fugir à morte ou procurar trabalho, a conversa é bem diferente. O caso a que me refiro é o dos vistos gold. Portugal integra a lista de países com práticas mais questionáveis a este respeito. Não sou eu quem o diz, os dados vêm do Consórcio Global Anticorrupção e da Transparency International.

Premium

Germano Almeida

Parlamentares

A notícia segundo a qual dois deputados nacionais ultrapassaram a fase dos insultos verbais e entraram em desforço físico junto ou dentro do edifício do Parlamento correu as ilhas e também pelo menos a parte da diáspora onde chegam as nossas emissões, porque não só a Rádio Nacional proporcionou ao facto abundante cobertura, como também a televisão lhe dedicou largos 22 minutos de tempo de antena, ouvindo não só os contendores como também as eventuais testemunhas da lide, e por fim um jurista, que, de código em punho, esmiuçou a diferença entre uma briga e uma agressão pura e simples, para concluir que no caso em apreço mais parecia ter havido uma agressão de um deputado a outro, na medida em que tudo levava a crer ter havido um único murro. Porém, tão bem aplicado e com tanta ciência, que não houve mais nada a fazer senão conduzir o espancado ao hospital para os devidos curativos. E para comprovar a veracidade do incidente mostrou, junto a uma parede, uma mancha de sangue que por sinal mais fazia lembrar o local onde uma galinha poderia ter sido decapitada.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Desta vez Trump tem razão

A construção de uma Europa unida como espaço de paz, liberdade, justiça e prosperidade sustentável foi o maior projeto político da geração a que pertenço. É impossível não confessar a imensa tristeza que me invade ao observar mês após mês, ano após ano, como se caminha para aquele grau de exaustão e fadiga que faz pressentir a dissolução final. O que une, hoje, a Europa é a mais elementar pulsão de vida, o instinto de autossobrevivência. Não dos seus governantes, mas dos seus mais humildes cidadãos. O tumultuoso Brexit mostra bem como é difícil, mesmo para um grande país com soberania monetária, descoser as malhas urdidas ao longo de tantas décadas. Agora imagine-se a tragédia que seria o colapso da união monetária para os 19 países que dela participam. A zona euro sofreria um empobrecimento e uma destruição de riqueza exponenciais, como se uma guerra invisível, sem mortos nem ruínas, nos tivesse atingido. Estamos nisto há dez anos. Os atos políticos levados a cabo desde 2008, nada mudaram na gravidade dos problemas, apenas adiaram o desfecho previsível. Existe uma alternativa minimalista ao colapso. Implicaria uma negociação realista baseada nos interesses materiais concretos dos Estados, como aqueles casais que coabitam, mesmo depois do divórcio, para nenhum deles ter de ir morar na rua. A prioridade seria uma mudança das regras absurdas do tratado orçamental, que transformam, por exemplo, os 2,8% da derrapagem orçamental francesa prevista para 2019 numa coisa esplêndida, e os 2,4% solicitados pelo governo de Roma num pecado mortal! Contudo, os mesmos patéticos dirigentes políticos dos grandes países europeus que economizaram nos atos potencialmente redentores do projeto europeu, não nos poupam à sua retórica. A evocação do primeiro centenário do fim da I Guerra Mundial ultrapassou os limites do aceitável.