Subida de temperatura. Portugal chama aviões que estavam na Suécia

Previsão de temperaturas muito altas a partir de quarta-feira levam Portugal a mandar regressar os dois aviões anfíbios que estavam a ajudar a combater os fogos florestais na Suécia.

O aumento do calor e de condições propícias para a ocorrência de incêndios que se esperam a partir de 4.ª-feira, 1 de agosto, levou o governo a retirar os dois aviões anfíbios médios que têm estado na Suécia a ajudar a combater os fogos naquele país.

De acordo com um comunicado do Ministério da Administração Interna, os dois aviões devem sair da Suécia na quarta-feira e chegar a Portugal no dia seguinte.

Segundo as previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera a partir de 1 de agosto as temperaturas vão subir cinco a sete graus, sendo possível que em Lisboa, por exemplo, no dia 2 os termómetros atinjam os 41 graus.

As equipas portuguesas têm estado na Suécia a ajudar a combater os fogos que têm atingido o país, devido às elevadas temperaturas que se fazem sentir no norte da Europa.

Os dois aviões anfíbios Fire Boss já cumpriram mais de 30 horas de voo e descarregaram mais de um milhão de litros de água durante essas intervenções.

Portugal foi um dos países que responderam rapidamente ao pedido de ajuda das autoridades suecas tendo enviado para a Suécia as duas aeronaves e 700 quilos de equipamento.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."