Subida de temperatura. Portugal chama aviões que estavam na Suécia

Previsão de temperaturas muito altas a partir de quarta-feira levam Portugal a mandar regressar os dois aviões anfíbios que estavam a ajudar a combater os fogos florestais na Suécia.

O aumento do calor e de condições propícias para a ocorrência de incêndios que se esperam a partir de 4.ª-feira, 1 de agosto, levou o governo a retirar os dois aviões anfíbios médios que têm estado na Suécia a ajudar a combater os fogos naquele país.

De acordo com um comunicado do Ministério da Administração Interna, os dois aviões devem sair da Suécia na quarta-feira e chegar a Portugal no dia seguinte.

Segundo as previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera a partir de 1 de agosto as temperaturas vão subir cinco a sete graus, sendo possível que em Lisboa, por exemplo, no dia 2 os termómetros atinjam os 41 graus.

As equipas portuguesas têm estado na Suécia a ajudar a combater os fogos que têm atingido o país, devido às elevadas temperaturas que se fazem sentir no norte da Europa.

Os dois aviões anfíbios Fire Boss já cumpriram mais de 30 horas de voo e descarregaram mais de um milhão de litros de água durante essas intervenções.

Portugal foi um dos países que responderam rapidamente ao pedido de ajuda das autoridades suecas tendo enviado para a Suécia as duas aeronaves e 700 quilos de equipamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).