"São uns canalhas." Frei Fernando Ventura revoltado com obras adiadas em pediatria oncológica

Ministério das Finanças adiou obras para que fossem avaliadas por uma comissão de estudo. Frei revolta-se: "São uns canalhas, quem quer que seja que se atreva a brincar com as crianças com cancro"

Frei Fernando Ventura soube esta sexta-feira que as obras prometidas e anunciadas em julho pelo ministro da saúde para a renovação do serviço de pediatria oncológica do Hospital de São João (HSJ), no Porto, foram adiadas. Mais que o Ministério das Finanças anunciaram que as mesmas se encontram entregues a uma comissão de estudo, para avaliação.

Um adiamento que revoltou o religioso, teólogo e biblista, e o levou a escrever uma carta ao ministro das Finanças, Mário Centeno, e que partilhou no Facebook. "As crianças da oncologia do HSJ ainda não votam, nem fazem greves, nem paralisam escolas, nem hospitais, nem serviços públicos, mas não estão sozinhas. Acredite que não estão. Desejo-lhe um bom regresso ao trabalho", escreveu.

Ao DN, Fernando Ventura explica que está no IPO do Porto a substituir o capelão que aí "vive" o ano inteiro. "Há três anos que fico lá nas minhas férias", mas foram as condições dos vizinhos que o deixaram revoltado. "Acho uma vergonha uma sociedade que não cuida das suas crianças e dos seus velhos. As franjas não produtivas da sociedade são esquecidas e isso é uma atitude terceiro mundista."

Na quinta-feira foi notícia mais um adiamento nas obras que já tinham sido prometidas. Em julho, o ministro da Saúde garantiu já haver verbas aprovadas para o projeto. Mas um mês depois, o Ministério das Finanças anuncia "um estudo de reavaliação da rede hospitalar pediátrica existente na zona metropolitana do Grande Porto que considerasse o parofundamento de sinergias".

"O ministro das finanças permite-se desdizer os outros ministros. O anúncio deste estudo é um empurrar com a barriga", crítica Fernando Ventura, acrescentando: "Os pais não se calam e muito bem. Sobretudo quando há promessas atrás de promessas. São uns canalhas, quem quer que seja que se atreva a brincar com crianças com cancro."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.