Linha de Cascais: utilizadores queixam-se de horários por cumprir e degradação do serviço

Horários cumpridos e estações de comboio modernizadas é o que pedem os utilizadores da linha de Cascais

Henrique Garcia esperava pelo comboio de regresso a Cascais na estação de Cais do Sodré, em Lisboa, impaciente, depois de um dia de trabalho. À agência Lusa, disse utilizar o comboio apenas porque não tem carro e "não há alternativa".

"O serviço é péssimo, quer seja no horário ou nas condições do comboio. Com o calor que está torna-se impossível estar dentro do comboio", disse, acrescentando que é frequente ver pessoas a ficar no cais porque os comboios ficam facilmente cheios.

Henrique Garcia explicou também que o problema se adensa nas horas de ponta e nos fins de semana, quando mais pessoas pretendem deslocar-se para a linha de Cascais, onde se situam várias praias.

"Na hora de ponta há quem vá para a praia e quem venha no fim de semana é ainda pior. As condições pioram no verão e a supressão de comboios é muito má, não deveriam tomar esta medida", afirmou, referindo-se à redução de horários que está em vigor até dia 09 de setembro.

A redução de horários, que vigora desde 5 de agosto, consiste na alteração dos tempos de espera entre a passagem de cada comboio dos habituais 12 para 15 minutos, uma diferença de três minutos que para Elisabete Pinto, utilizadora frequente da linha de Cascais, é "aceitável".

Incumprimento de horários

"A alteração de horários de verão não me vai transtornar desde que se cumpram os horários. Uma vez que há menos pessoas a trabalhar, muito embora continuem a vir alguns turistas, penso que o movimento de pessoas tem reduzido e é aceitável que reduzam o número de comboios por dia, não é algo que ache errado", afirmou.

Segundo Elisabete Pinto, um dos maiores problemas da linha é o incumprimento de horários e o desinvestimento que se nota nas estações e carruagens.

"O número de comboios por dia tem sido suficiente desde que sejam cumpridos os horários, mas os horários não têm sido cumpridos. É frequente não se cumprirem horários, já não temos a certeza de que o comboio chega à hora marcada, pode chegar dois, três minutos ou muito tempo depois. O certo é que esta linha precisa de investimento", acrescentou.

Para esta utilizadora, "os dias de greve são os piores", já que só consegue chegar ao centro da capital portuguesa através de meios de transporte próprios.

"Em dias de greve, por exemplo, apenas conseguimos chegar a Lisboa por meios próprios. Não há uma camioneta, pelo menos que eu tenha conhecimento. Ou usamos meios próprios ou ficamos em casa, não é fácil chegar a Lisboa quando há greves", disse.

No seu entender, é essencial apostar na conservação da linha.

Sem transporte alternativa

"Quando nos confrontamos com a ausência deste meio de transporte não temos transporte alternativo válido. Seria importante, mesmo em termos de turismo, já que vemos diariamente turistas a utilizarem esta linha, conservá-la, o que é valioso tem de ser conservado", referiu.

"É uma pena porque esta linha é uma linha magnífica, os comboios já estão um pouco envelhecidos e têm que se cuidar devidamente", acrescentou.

Opinião semelhante tem Elisabete Almeida, que utiliza a linha de Cascais há um ano e meio, e também acha que deve ser dado maior "cuidado à manutenção" do material circulante e das estações.

"O que se nota, fruto da época, é a substituição da máquina em função dos funcionários. Já me aconteceu ter que utilizar a máquina de venda de bilhetes automáticos para ajudar outros passageiros. [A estação de] Santo Amaro de Oeiras tem estado fechada, sem qualquer tipo de apoio. Para mim é fácil, porque trabalho em tecnologias de informação, utilizar as máquinas e tirar bilhetes. Tenho socorrido as pessoas e ajudado, mas é fruto da época, o cliente é o utilizador-pagador", disse.

Questionados pela agência Lusa, a bordo do comboio que fazia a viagem entre Cascais e Cais do Sodré, um grupo de três passageiros afirmava que nos últimos anos as estações estão a degradar-se e os comboios já não oferecem a segurança que se sentia há, por exemplo, 10 anos, lembrando que era "muito raro ver um polícia" a bordo das carruagens, facto que agora é "normal".

Durante mais de uma hora na estação de Cais do Sodré, a Lusa pôde observar as constantes filas para a bilheteira e máquinas automáticas para a compra de bilhetes, com dezenas de turistas a aguardar pelo carregamento dos cartões para poder embarcar, enquanto nas plataformas de embarque os passageiros se apressavam para seguir viagem, motivados pelas altas temperaturas ou pela imposição de horários de trabalho a cumprir.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.