Três adultos e um bebé retirados de uma praia isolada pelo mar no Algarve

Tudo acabou em bem com a utilização de uma mota de água de salvamento. As quatro pessoas ficaram "em situação perigosa pela subida da maré" explicou a Autoridade Marítima Nacional

Quatro pessoas, entre as quais um bebé, foram retiradas na segunda-feira de uma praia em Lagoa, no Algarve, depois de terem ficado isoladas pelo mar, revelou esta terça-feira a Autoridade Marítima Nacional.

Os três adultos e a criança ficaram isolados pelo mar na sequência da subida da maré, a poente da praia de Albandeira, em Lagoa, tendo sido retirados com recurso a uma mota de água.

Segundo a Autoridade Marítima Nacional, as quatro pessoas estavam bem de saúde, mas "em situação perigosa pela subida da maré e por se encontrarem dentro da faixa de risco de desmoronamento da arriba".

Para o local foram mobilizados uma embarcação salva-vidas, uma mota de água de salvamento e a respetiva tripulação da Estação Salva-vidas de Ferragudo.

A Autoridade Marítima Nacional apela à população que se mantenha afastada das arribas porque o risco de derrocada "é permanente".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.