Presidente do IPMA: "Situação de calor que nunca tinha sido observada" em Portugal

Jorge Miranda fez esta quarta-feira um balanço da última semana na Autoridade Nacional de Proteção Civil. Diz que foram seguidas as recomendações dos relatórios feitos na sequência dos incêndios de Pedrógão Grande

O presidente do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), Jorge Miranda, considera que a onda de calor que se viveu em Portugal entre 1 e 6 de agosto foi uma "situação excecional de calor que nunca tinha sido observada" no país.

"Estamos a ter cada vez mais períodos" acima dos 40 graus, "que têm efeitos muito importantes não só na saúde como nas estruturas" do país, acrescentou o líder do IPMA. "Dia 4 de agosto foi o mais quente do século. Todos os recordes foram batidos", frisou, em declarações na Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC). "Estamos a ter cada vez mais períodos" acima dos 40 graus, "que têm efeitos muito importantes não só na saúde como nas estruturas" do país. "Dia 4 de agosto foi o mais quente do século. Todos os recordes foram batidos".

No que concerne à temperatura nos próximos dias, Jorge Miranda diz que a situação que se vive em Monchique ainda é "difícil", mas perspetiva melhorias para os próximos dias.

O presidente do IPMA assegura que foram seguidas todas as recomendações que constavam nos relatórios elaborados na sequência dos incêndios do ano passado em Pedrógão Grande: "As ferramentas que foram desenvolvidas no último ano, na sequência dos relatórios, foram integralmente implementadas."

Uma das recomendações prendia-se precisamente com a colaboração entre o IPMA e a ANPC, que, no entender de Jorge Miranda, tem resultado. "A colaboração entre o IPMA e a ANPC leva a que tenha sido possível num tempo curto ter sido capaz de implementar todos os indicadores considerados necessários e por isso hoje temos ferramentas mais rápidas e adaptadas aos cidadãos e aos profissionais de uma forma transparente", afirmou, defendendo os serviços prestados pelo IPMA: "A previsão meteorológica funcionou muito bem e a capacidade de previsão é muito grande."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.