Portugueses têm mais de meio milhão de armas legais

Na maioria dos casos, as pessoas só podem mesmo ter as armas em casa, mas nove mil podem transportar pistolas ou revólveres na rua.

Há mais de meio milhão (527 mil) de armas legais em Portugal. Os dados da Polícia de Segurança Pública, revelados este domingo pelo Jornal de Notícias, mostram que na maioria dos casos (cerca de 300 mil), as pessoas só as podem ter em casa, mas há 9 mil que podem andar com pistolas ou revólveres na rua, a que se somam 167 mil caçadores com licenças para caçadeiras e carabinas.

Os números da PSP mostram que, de 2016 para 2017, houve um aumento das licenças de porte de arma. Entre as mais comuns estão as de caça, de tiro desportivo, para utilização em feiras, e no fim da lista vêm as de calibre acima de 7.5 mm e revólveres .38.

Mas a estes números junta-se outro muito superior de armas ilegais que ainda andam à solta no país. Como o DN noticiou já este ano, o SIS tem assinalado nos relatórios anuais de segurança interna (RASI) que o comércio ilícito de armas continua a marcar o quotidiano das chamadas zonas urbanas sensíveis e assinala que as estimativas do número de armas de fogo ilegais se tem mantido estável nos últimos anos - entre um a 1.5 milhões.

As secretas estão preocupadas com o mercado de armas ilegais no nosso país e defendem que seja realizada uma nova campanha de desarmamento em todo o território nacional, intenção em que são acompanhadas, por exemplo, pelo PCP e o Bloco de Esquerda, que apresentaram recentemente propostas nesse sentido. Desde 2006 que não existem campanhas para entrega voluntária de armas

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.