Calor. Onze distritos continuam com alerta vermelho

Todo o país está este domingo com risco elevado de exposição à radiação ultravioleta. Continuam os alertas vermelhos em 11 distritos. Temperaturas máximas devem ter uma pequena descida com Santarém a ser a região mais quente: 45 graus

Portugal continental, o arquipélago da Madeira e o grupo central dos Açores apresentam este domingo um risco muito elevado de exposição à radiação ultravioleta (UV), segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Para as regiões com risco muito elevado e elevado, o IPMA recomenda a utilização de óculos de sol com filtro UV, chapéu, t-shirt, guarda-sol, protetor solar e evitar a exposição das crianças ao Sol.

O índice ultravioleta varia entre 1 e 2, em que o risco de exposição à radiação UV é baixo, 3 a 5 (moderado), 6 a 7 (elevado), 8 a 10 (muito elevado) e superior a 11 (extremo).

O país continua com 11 distritos sob aviso vermelho - o mais grave da escala - devido a um "tempo excecionalmente quente".

O aviso vermelho, que implica recomendações à população para que se mantenha regularmente ao corrente da evolução das condições meteorológicas e para que siga as orientações da Autoridade Nacional da Proteção Civil, foram dados para os distritos de Braga, Vila Real, Bragança, Guarda, Castelo Branco, Portalegre, Santarém, Lisboa, Setúbal, Évora e Beja.

No resto do continente e no arquipélago da Madeira, os avisos são laranja, o que significa risco moderado a alto.

Hoje, as temperaturas deverão registar uma pequena descida, chegando aos 45 graus em Santarém, aos 44 em Setúbal e Évora, aos 41 em Lisboa, ficando o Norte abaixo dos 40, com 39 em Vila Real, 38 em Bragança, 33 no Porto e 32 em Faro.

Segundo o IPMA, o céu estará geralmente limpo, mas com períodos de maior nebulosidade na região Sul durante a tarde, podendo verificar-se trovoadas e rajadas de vento fortes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.