Calor. Onze distritos continuam com alerta vermelho

Todo o país está este domingo com risco elevado de exposição à radiação ultravioleta. Continuam os alertas vermelhos em 11 distritos. Temperaturas máximas devem ter uma pequena descida com Santarém a ser a região mais quente: 45 graus

Portugal continental, o arquipélago da Madeira e o grupo central dos Açores apresentam este domingo um risco muito elevado de exposição à radiação ultravioleta (UV), segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Para as regiões com risco muito elevado e elevado, o IPMA recomenda a utilização de óculos de sol com filtro UV, chapéu, t-shirt, guarda-sol, protetor solar e evitar a exposição das crianças ao Sol.

O índice ultravioleta varia entre 1 e 2, em que o risco de exposição à radiação UV é baixo, 3 a 5 (moderado), 6 a 7 (elevado), 8 a 10 (muito elevado) e superior a 11 (extremo).

O país continua com 11 distritos sob aviso vermelho - o mais grave da escala - devido a um "tempo excecionalmente quente".

O aviso vermelho, que implica recomendações à população para que se mantenha regularmente ao corrente da evolução das condições meteorológicas e para que siga as orientações da Autoridade Nacional da Proteção Civil, foram dados para os distritos de Braga, Vila Real, Bragança, Guarda, Castelo Branco, Portalegre, Santarém, Lisboa, Setúbal, Évora e Beja.

No resto do continente e no arquipélago da Madeira, os avisos são laranja, o que significa risco moderado a alto.

Hoje, as temperaturas deverão registar uma pequena descida, chegando aos 45 graus em Santarém, aos 44 em Setúbal e Évora, aos 41 em Lisboa, ficando o Norte abaixo dos 40, com 39 em Vila Real, 38 em Bragança, 33 no Porto e 32 em Faro.

Segundo o IPMA, o céu estará geralmente limpo, mas com períodos de maior nebulosidade na região Sul durante a tarde, podendo verificar-se trovoadas e rajadas de vento fortes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.