Calor. Onze distritos continuam com alerta vermelho

Todo o país está este domingo com risco elevado de exposição à radiação ultravioleta. Continuam os alertas vermelhos em 11 distritos. Temperaturas máximas devem ter uma pequena descida com Santarém a ser a região mais quente: 45 graus

Portugal continental, o arquipélago da Madeira e o grupo central dos Açores apresentam este domingo um risco muito elevado de exposição à radiação ultravioleta (UV), segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Para as regiões com risco muito elevado e elevado, o IPMA recomenda a utilização de óculos de sol com filtro UV, chapéu, t-shirt, guarda-sol, protetor solar e evitar a exposição das crianças ao Sol.

O índice ultravioleta varia entre 1 e 2, em que o risco de exposição à radiação UV é baixo, 3 a 5 (moderado), 6 a 7 (elevado), 8 a 10 (muito elevado) e superior a 11 (extremo).

O país continua com 11 distritos sob aviso vermelho - o mais grave da escala - devido a um "tempo excecionalmente quente".

O aviso vermelho, que implica recomendações à população para que se mantenha regularmente ao corrente da evolução das condições meteorológicas e para que siga as orientações da Autoridade Nacional da Proteção Civil, foram dados para os distritos de Braga, Vila Real, Bragança, Guarda, Castelo Branco, Portalegre, Santarém, Lisboa, Setúbal, Évora e Beja.

No resto do continente e no arquipélago da Madeira, os avisos são laranja, o que significa risco moderado a alto.

Hoje, as temperaturas deverão registar uma pequena descida, chegando aos 45 graus em Santarém, aos 44 em Setúbal e Évora, aos 41 em Lisboa, ficando o Norte abaixo dos 40, com 39 em Vila Real, 38 em Bragança, 33 no Porto e 32 em Faro.

Segundo o IPMA, o céu estará geralmente limpo, mas com períodos de maior nebulosidade na região Sul durante a tarde, podendo verificar-se trovoadas e rajadas de vento fortes.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.