Pólenes muito elevados em todo o país até dia 12

As concentrações de pólenes no ar vão estar muito elevadas em quase todas as regiões de Portugal continental nos próximos sete dias, segundo o Boletim Polínico da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC).

De acordo com o boletim, entre hoje e 12 de julho em Lisboa e Setúbal os pólenes vão estar com níveis muito elevados, com predomínio dos pólenes das ervas gramíneas, da erva parietária e da árvore castanheiro, o mesmo acontecendo em Coimbra (região da beira Litoral), em Vila Real (região de Trás-os-Montes e Alto Douro) e no Porto (região de Entre Douro e Minho).

Em Portimão (região do Algarve) e em Castelo Branco (região da Beira Interior) os pólenes encontram-se em níveis elevados, predominando o pólen das ervas gramíneas, seguido pelo pólen da árvore castanheiro.

Também em Évora (região do Alentejo), os pólenes encontram-se em níveis elevados na atmosfera, com destaque do pólen das ervas gramíneas.

No que diz respeito a Ponta Delgada (Região Autónoma dos Açores), os pólenes encontram-se em níveis moderados, com predomínio dos pólenes das ervas gramíneas, parietária e tanchagem e das árvores palmeiras.

Ao contrário das regiões do continente, os pólenes estarão em níveis baixos na Madeira, destacando-se as ervas gramíneas e parietária.

O Boletim Polínico efetua a divulgação semanal dos níveis de pólenes existentes no ar atmosférico recolhidos através da leitura de postos em várias regiões do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).