PJ faz buscas nas Finanças e detém alta funcionária e advogado

Buscas em 13 locais na Grande Lisboa. Suspeitas de corrupção ativa e corrupção passiva, falsidade informática, violação de segredo de funcionário e recebimento indevido de vantagens.

Um advogado e uma representante das Finanças junto dos Tribunais, em processos de penhoras, foram detidos por suspeitas de corrupção ativa e corrupção passiva, falsidade informática, violação de segredo de funcionário e recebimento indevido de vantagens, confirmou o DN.

Segundo a TVI, o advogado detido é António Taveira.

O que está em causa são ações de execução que a Autoridade Tributária instaurava contra contribuintes. A funcionária é suspeita de de preparar os processos de forma a informar o escritório de advogados sobre a melhor forma dos seus clientes, empresas ou indivíduos, escaparem às ações, favorecendo o escritório.

A investigação passa por cruzar onde a funcionária interveio e o escritório de António Taveira também esteve envolvido.

As buscas no terreno levadas a cabo pela Unidade de Combate à Corrupção da PJ, em estreita ligação com a Autoridade Tributária, decorreram em Lisboa, Mafra, Vendas Novas, Montijo, Coruche e Alcochete.

O inquérito é recente e está ainda em investigação. À Lusa, fonte oficial das Finanças confirmou também as buscas. "Confirma-se. A situação que dá origem a este procedimento foi objeto de denúncia e comunicação pela AT às entidades competentes", afirmou a fonte.

Em comunicado entretanto divulgado, a PJ confirmou que a operação "Duo Facie" mobilizou várias dezenas de elementos da Polícia Judiciária, bem como magistrados judiciais e do Ministério Público, tendo sido realizadas 13 buscas, domiciliárias e não domiciliárias.

com M.M.

Ler mais

Exclusivos