Pedrógão Grande: Número de arguidos aumenta para 18

Há, no total, 18 arguidos no caso dos incêndios de 2017, em Pedrógão Grande. Em causa estão "factos suscetíveis de integrarem os crimes de homicídio por negligência e ofensas corporais por negligência", refere a Procuradoria da Comarca de Leiria

O número de arguidos do inquérito que investiga os incêndios de junho de 2017 em Pedrógão Grande, norte do distrito de Leiria, que provocaram 66 mortos, aumentou para 18, anunciou esta sexta-feira a Procuradoria da Comarca de Leiria.

"No âmbito do inquérito onde se investigam as circunstâncias que rodearam os incêndios de Pedrógão Grande, foram constituídos mais dois arguidos. Assim, o processo tem, neste momento, 18 arguidos, todos pessoas singulares", informa uma nota da Procuradoria da Comarca de Leiria disponibilizada no seu sítio na Internet.

O "inquérito encontra-se em avançado estado de investigação, tendo já sido realizadas inúmeras diligências, sobretudo de caráter pericial, e ouvidas mais de duas centenas de testemunhas"

Segundo a mesma informação, "neste inquérito, dirigido pelo Ministério Público do Departamento de Investigação e Ação Penal de Leiria, estão em causa factos suscetíveis de integrarem os crimes de homicídio por negligência e ofensas corporais por negligência".

A Procuradoria da Comarca de Leiria reitera que o "inquérito encontra-se em avançado estado de investigação, tendo já sido realizadas inúmeras diligências, sobretudo de caráter pericial, e ouvidas mais de duas centenas de testemunhas".

Entre os 18 arguidos deste inquérito estão autarcas e ex-autarcas, funcionários municipais, elementos da Proteção Civil e trabalhadores de empresas privadas

Nesta investigação, em segredo de justiça, o Ministério Público é coadjuvado pela Polícia Judiciária.

Entre os 18 arguidos deste inquérito estão autarcas e ex-autarcas, funcionários municipais, elementos da Proteção Civil e trabalhadores de empresas privadas.

O comandante dos Bombeiros Voluntários de Pedrógão Grande, António Arnaut, e Mário Cerol, 2º comandante operacional distrital, estão entre as primeiras pessoas constituídas arguidas, em dezembro de 2017.

Ainda no âmbito da Proteção Civil, Sérgio Gomes, que quando ocorreram os incêndios era comandante operacional distrital e que agora é adjunto de Operações Nacional na Autoridade Nacional de Proteção Civil, é também arguido.

São igualmente arguidos o presidente da Câmara de Figueiró dos Vinhos, Jorge Abreu, o ex-presidente da Câmara de Castanheira de Pera Fernando Lopes e o ex-vereador do Município de Pedrógão Grande José Graça.

Dois funcionários desta Câmara são também arguidos neste inquérito.

Ao nível de empresas privadas, a Ascendi Pinhal Interior confirmou em maio ter "conhecimento que dois dos seus colaboradores afetos a esta subconcessionária foram ouvidos em interrogatório e constituídos arguidos no âmbito da investigação" aos incêndios de Pedrógão Grande.

Há precisamente uma semana, quando a Procuradoria da Comarca de Leiria anunciou que o número de arguidos tinha aumentado de 13 para 16, a Ascendi Pinhal Interior, numa informação enviada à Lusa, disse que "nos últimos dias foram constituídos, a título individual, outros arguidos desta sociedade", mas não revelou o número.

"A administração da Ascendi Pinhal Interior e os seus colaboradores têm vindo a colaborar com as autoridades judiciárias, estando seguros de que cumpriram rigorosamente todo o quadro legal, não lhes sendo imputável qualquer responsabilidade", acrescentou então a empresa.

No mesmo dia, a EDP Distribuição também se escusou a precisar o número de seus funcionários que supostamente terão sido constituídos arguidos, apenas dizendo que a empresa "tem vindo a colaborar com o Ministério Público no âmbito do processo de inquérito em curso, aguardando as conclusões do mesmo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.