O Verão regressa esta quinta-feira. O fim de semana vai ser de muito calor

No fim de semana devem atingir os 35 graus e calor deve manter-se nos dias seguintes

As temperaturas vão subir gradualmente a partir de quinta-feira em Portugal continental para valores até os 35 graus Celsius, próximos dos valores normais para esta época do ano

Para hoje ainda está previsto céu muito nublado, em especial nas regiões do litoral Norte e Centro, de acordo com a meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA),.

"Hoje ainda há uma probabilidade de ocorrência de chuva fraca no litoral e aguaceiros nas regiões do interior Norte e Centro. Amanhã [quinta-feira] ainda vamos ter muita nebulosidade nas regiões do Norte e Centro durante a manhã, tornando-se depois pouco nublado", disse.

Segundo Paula Leitão, na quinta-feira ainda há possibilidade de chuva fraca no litoral das regiões do Norte e Centro e neblina ou nevoeiro matinal.

"Contudo na quinta-feira já vamos ter uma subida da temperatura da ordem dos três graus no continente e nos próximos dias vai continuar a subir gradualmente"

De acordo com o IPMA, no fim de semana a temperatura máxima deverá atingir valores entre os 30 e os 35 graus Celsius na região Sul e entre os 23 e os 30 graus no resto do território, "próximo dos valores habituais para a época do ano".

"No que diz respeito à temperatura mínima, esta deverá atingir valores entre os 13 e os 20 graus", disse.

Para a próxima semana, a previsão aponta para uma probabilidade de valores da temperatura do ar semelhantes ou superiores aos do próximo do fim de semana.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.