Mulher violentamente agredida no concelho de Famalicão

Uma mulher de 38 anos foi hoje "violentamente agredida" num bar da localidade de Pedome, concelho de Vila Nova de Famalicão, estando o alegado agressor em fuga, disse à Lusa fonte do Comando de Braga da GNR.

A mesma fonte explicou que foi recebida às 19:40, via 112, uma ocorrência de que teria sido violentamente agredida uma mulher que se encontrava dentro de um bar encerrado, na localidade de Pedome.

"Quando chegou ao local, a patrulha da GNR encontrou a mulher com múltiplos ferimentos no corpo", disse a fonte da GNR, não avançando com mais pormenores sobre os ferimentos ou a arma utilizada, uma vez que a investigação vai passar para a Polícia Judiciária do Porto, que é aguardada no local.

A fonte da GNR disse que estão a tentar identificar e a localizar o suspeito, que se encontra em fuga.

A Correio da Manhã TV (CMTV), em direto do local, dava conta de que o alegado agressor seria o namorado da vítima, que terá dito ao patrão que tinha morto a mulher, tendo este relatado o ocorrido ao 112.

Segundo aquela estação, a mulher apresentava muitos ferimentos de cortes em várias partes do corpo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.