Mulher morta a tiro na Figueira da Foz. GNR procura marido

O suspeito está a monte. O crime ocorreu esta manhã em Quiaios, no concelho da Figueira da Foz

Uma mulher de 48 anos foi esta terça-feira assassinada em Quiaios, Figueira da Foz. Foi o filho da vítima que comunicou o crime à GNR e o principal suspeito, o marido, está a monte. A GNR já montou uma operação para o localizar.

Fonte da GNR explicou à Lusa que a comunicação sobre o incidente foi feita diretamente para o posto da GNR de Quiaios pelo filho do casal. "Ao que tudo indica terá sido um homicídio com arma de fogo, uma caçadeira", disse a mesma fonte.

Os Bombeiros Voluntários da Figueira da Foz foram chamados ao local às 7:47, com a informação de uma vítima do sexo feminino baleada. Mais tarde, o óbito foi declarado no local.

Henrique Armindo, segundo comandante do Comando Territorial de Coimbra, disse aos jornalistas que o homem sofre de problemas psiquiátricos.

A GNR pede à população "que comunique, caso aviste o homem, mas que não se aproxime, porque o homem pode estar armado e desconhece-se que tipo de comportamento poderá ter".

Às 15:30, a GNR dizia aos jornalistas que mantinha "diligências" para encontrar o suspeito, que estará armado e que terá matado a mulher com um único tiro.

No local estiveram uma ambulância dos Bombeiros Voluntários da Figueira da Foz, com dois operacionais, uma viatura de emergência médica, a GNR de Quiaios e uma Unidade Móvel de Intervenção Psiquiátrica do Hospital de Coimbra.

No ano passado foram mortas dez pessoas às mãos de maridos, companheiros ou namorados. Outras quatro foram mortas por indivíduos com quem a vítima manteve alguma relação amorosa. Os dados são do Observatório de Mulheres Assassinadas (OMA), referente ao ano de 2017. Desde o início do levantamento de dados por parte do OMA, entre 2004 e 2017, 83% das situações de femicídio resultaram de uma relação atual ou passada.

Só este ano, já 11 mulheres foram assassinadas por alguém com quem mantinham uma relação de intimidade, quer fosse marido, companheiro ou namorado, como noticiou o jornal I ainda este mês.

Notícia atualizada às 16 horas

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."