Mulher de Luís Grilo nega "vida dupla" do marido

Para Rosa Grilo o desconhecimento durante semanas sobre o que aconteceu ao marido leva a que se inventem todas as hipóteses sobre o crime, mas nega que tenha tido alguma participação na morte.

A mulher do triatleta Luís Grilo, encontrado morto a 24 de agosto, garantiu em entrevista à SIC que o marido "não tinha inimigos" e que era impossível ter "uma vida dupla". Segundo Rosa Grilo, a Polícia Judiciária tem-lhe dado muito apoio e sente-se útil na ajuda que tem prestado à força policial.

Para a mulher do atleta a explicação para a morte do marido ainda está por descobrir, mas quando a jornalista a questionou sobre um seu alegado envolvimento nos aontecimentos, a resposta é um "não" claro. Considera que ao fim de mais de um mês sem notícias do marido e pelo facto de ainda não se ter deslindado o que aconteceu, é fácil serem aventadas "todas as hipóteses".

Rosa Grilo recorda que o marido saiu de casa por volta das 16.00 para "dar uma volta e treinar" no dia em que desapareceu. Diz que por volta das 18.00 começou a ficar preocupada "porque ele não tinha sinalização na bicicleta e já estava a escurecer". Em seguida, Rosa Grilo conta que "como [o marido] não respondia às mensagens e a noite caía, começou a ficar preocupada".

Pediu ajuda à GNR ajuda por volta das 20.00 e a partir daí "foi mais de um mês sem notícias".

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".