Marcelo despediu-se da pastelaria Suíça: "Nesta mesa morreu o meu pai"

A emblemática pastelaria Suíça, no Rossio, encerrou as portas esta sexta-feira, dia 31 de agosto, depois de o edifício em que ficava situada desde 1922 ter sido comprado por fundos de investimentos estrangeiros

Marcelo Rebelo de Sousa foi jantar à pastelaria Suíça, no Rossio, esta sexta-feira à noite. O presidente fez questão de se despedir pessoalmente do sítio onde, durante décadas, foi almoçar ou jantar com a família e que agora encerrou portas depois de ter sido vendido.

"Durante décadas, almocei e jantei aqui, desde miúdo, com a minha família. Quando passava de ano vinha aqui almoçar ou jantar. Quando vinha a um espetáculo vinha aqui cear. Ficávamos nestas mesas. Ou aqui ou ali", afirmou Marcelo, à reportagem da TVI.

O presidente apontou para a mesa onde estava sentado a jantar e revelou mesmo à jornalista: "Nesta mesa morreu o meu pai, neste mesmo lugar onde eu estou a comer, há 16 anos, portanto ficámos muito ligados e vim aqui despedir-me". Baltasar Rebelo de Sousa morreu a 1 de dezembro de 2002.

Marcelo considerou que "é uma grande pena" o encerramento da pastelaria da qual foi "um cliente habitual". O presidente admitiu que o progresso e a mudança têm custos "urbanísticos e humanos" mas "é importante guardar memória dos bons momentos aqui passados".

A funcionar no Rossio, desde 1922, a pastelaria Suíça foi vendida ao fundo de investimento Mabel Capital. Um dos seus investidores é o tenista Rafael Nadal, a quem o Fórum Cidadania Lisboa escreveu a pedir que impedisse a venda do edifício, mas o espanhol, através do Facebook, disse: Esta informação surpreendeu-me bastante visto que não tenho qualquer vínculo com essa compra em particular".

A compra do quarteirão onde fica a pastelaria Suíça foi fechada por 62 milhões de euros, noticiaram, em março, os media espanhóis.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).