Manifestação pede demissão da Câmara de Pedrógão

Pouco antes da reunião extraordinária da Assembleia Municipal, que decorre esta tarde em Pedrógão Grande, está marcada uma manifestação popular

Uma manifestação "pela demissão do executivo municipal de Pedrógão Grande" está marcada para esta tarde, antecedendo a reunião extraordinária da Assembleia Municipal, cujo ponto único é a "análise da execução da aplicação de fundos doados às diversas instituições para recuperação de património habitacional na sequência dos fogos de 2017".

A manifestação está a ser convocada através do Facebook, desde a semana passada, e embora nãos se saiba quem são os autores, há cerca de 500 pessoas interessadas no evento, agendado para as 16h30, em frente à Casa da Cultura de Pedrógão Grande.

De acordo com a descrição do evento - criado por uma página denominada "Demissão do Executivo Municipal de Pedrógão Grande por Compadrio", "a justiça fará o que compete à justiça, e o povo fará o que compete à democracia, exigir a demissão e convocação de novas eleições em Pedrógão Grande".

A manifestação exige também "a devolução do dinheiro gasto indevidamente até ao último cêntimo". Além disso, a manifestação exige ainda "a constituição de arguidos no processo de reconstrução das casas", bem como a constituição do autarca Valdemar Alves, presidente da autarquia, como arguido - "pela corresponsabilidade nas consequências do incêndio de 17 de junho de 2017, inerentes às suas competências e atribuições nos termos da Lei 65/2007 e das quais não se pode eximir tenha ou não delegado funções".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.