Manifestação pede demissão da Câmara de Pedrógão

Pouco antes da reunião extraordinária da Assembleia Municipal, que decorre esta tarde em Pedrógão Grande, está marcada uma manifestação popular

Uma manifestação "pela demissão do executivo municipal de Pedrógão Grande" está marcada para esta tarde, antecedendo a reunião extraordinária da Assembleia Municipal, cujo ponto único é a "análise da execução da aplicação de fundos doados às diversas instituições para recuperação de património habitacional na sequência dos fogos de 2017".

A manifestação está a ser convocada através do Facebook, desde a semana passada, e embora nãos se saiba quem são os autores, há cerca de 500 pessoas interessadas no evento, agendado para as 16h30, em frente à Casa da Cultura de Pedrógão Grande.

De acordo com a descrição do evento - criado por uma página denominada "Demissão do Executivo Municipal de Pedrógão Grande por Compadrio", "a justiça fará o que compete à justiça, e o povo fará o que compete à democracia, exigir a demissão e convocação de novas eleições em Pedrógão Grande".

A manifestação exige também "a devolução do dinheiro gasto indevidamente até ao último cêntimo". Além disso, a manifestação exige ainda "a constituição de arguidos no processo de reconstrução das casas", bem como a constituição do autarca Valdemar Alves, presidente da autarquia, como arguido - "pela corresponsabilidade nas consequências do incêndio de 17 de junho de 2017, inerentes às suas competências e atribuições nos termos da Lei 65/2007 e das quais não se pode eximir tenha ou não delegado funções".

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.