Mais de 300 detidos com excesso de álcool na operação "Ano Novo"

Mais de 300 pessoas foram detidas entre sexta-feira e as 08:00 desta quarta-feira, por condução com excesso de álcool no sangue, no âmbito da Operação "Ano Novo", segundo dados provisórios da Guarda Nacional Republicana (GNR)

Em comunicado, a GNR adianta que desde o início da operação [sexta-feira] e até às 08:00 desta quarta-feira foram fiscalizados 33.908 condutores, dos quais 940 conduziam com excesso de álcool.

Destes 940 condutores com excesso de álcool, 311 foram detidos por apresentarem uma taxa de igual ou superior a 1,2 g/l.

Segundo a GNR, foram também detidas 76 pessoas por conduzirem sem habilitação legal.

No que diz respeito às 8.592 contraordenações registadas, a GNR adianta que 3.253 foram por excesso de velocidade, 446 por falta de inspeção periódica obrigatória, 370 por falta ou incorreta utilização do cinto de segurança e/ou sistema de retenção para crianças e 283 por anomalias nos sistemas de iluminação e sinalização.

A GNR dá ainda conta de 240 contraordenações por uso indevido do telemóvel no exercício da condução e 216 por falta de seguro de responsabilidade civil obrigatório.

Uma fonte da GNR remeteu para mais tarde dados provisórios e atualizados sobre o número de acidentes e vítimas.

Entre sexta-feira e as 12:00 de terça-feira, primeiro dia de 2019, foram registados oito mortos e 18 feridos graves em acidentes de viação.

Na operação, que termina esta quarta-feira, participam mais de 3.000 militares.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.