Lisboa e Porto ganham mandatos a Guarda e Viseu e há mais 1,2 milhões de eleitores

Segundo o mapa oficial publicado esta segunda-feira em Diário da República, há mais 1,2 milhões de eleitores ativos para as próximas legislativas

Em comparação com as últimas eleições legislativas, em 2015, Viseu perdeu perto de 24 mil eleitores e a Guarda quase 12 mil, ao passo que em Lisboa se verificou um acréscimo de cerca de 20 mil eleitores e no Porto esse aumento foi de 3433 cidadãos aptos a votar.

O número de mandatos de deputado a atribuir nos círculos eleitorais da Guarda e de Viseu diminuiu de quatro para três e de nove para oito, respetivamente, enquanto Lisboa e Porto ganharam um lugar cada, revelam dados oficiais.

Segundo o mapa oficial publicado esta segunda-feira em Diário da República, nas eleições legislativas de 6 de outubro o distrito da capital do país vai ter em disputa 48 assentos no hemiciclo de São Bento em vez dos anteriores 47 e no Porto o total de mandatos passou de 39 para 40.

Comparando com o número de eleitores das últimas legislativas, a 4 de outubro de 2015, Viseu perdeu perto de 24 mil eleitores e a Guarda quase 12 mil, ao passo que em Lisboa se verificou um acréscimo de cerca de 20 mil eleitores e no Porto esse aumento foi de 3433 cidadãos aptos a votar.

Com o recenseamento eleitoral suspenso desde 7 de agosto e até à data do sufrágio, como impõe a lei, no 60º dia que antecede cada eleição, o número total de cidadãos recenseados e habilitados a votar é de 10 811 436, mais 50 280 do que nas recentes eleições europeias de 26 de maio.

Desde há quatro anos, regista-se uma subida de 1 128613 cidadãos com capacidade eleitoral ativa, em virtude do recenseamento automático no estrangeiro.

O processo de recenseamento automático de eleitores residentes no estrangeiro decorreu de uma alteração legal, aprovada pela Assembleia da República em 2018, resultou num aumento do número de eleitores

Em relação a 2015, só nos círculos da Europa e de Fora da Europa, o número de eleitores aumentou de 78 253 para 895 515 e de 164 273 para 570 435, respetivamente.

O processo de recenseamento automático de eleitores residentes no estrangeiro decorreu de uma alteração legal, aprovada pela Assembleia da República em 2018, e resultou num aumento do número de eleitores, aos quais basta possuir o cartão de cidadão para poderem votar.

Os residentes no estrangeiro podem optar entre o voto por correspondência, definido por princípio, ou presencialmente, nas instalações consulares, expressa essa preferência pelo cidadão e a introdução da matriz em braille para os deficientes visuais foi outra alteração prevista na lei, sendo estes boletins especiais igualmente produzidos pela Imprensa Nacional Casa da Moeda.

Número de eleitores diminui em 14 distritos

Outros círculos eleitorais onde se verificou um aumento dos inscritos foram Setúbal e Faro, respetivamente com mais 11 502 e mais 6 mil assim como Madeira (mais 2149) e Açores (mais 1489).

Além de Viseu e Guarda, noutros 12 distritos houve uma baixa do número de eleitores recenseados, sendo em Santarém e em Viana do Castelo os recuos mais pronunciados, na casa dos 12 mil, além de Coimbra e Castelo Branco, a rondar menos 11 mil eleitores.

Em 2019, Lisboa continua a ser o círculo mais populoso (1 921 189 eleitores) e Portalegre o distrito onde há menos inscritos (96 425 eleitores), de acordo com o documento assinado pelo presidente da Comissão Nacional de Eleições, José Vítor Barros, tendo em conta informação da Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.