"Is it safe to travel to Algarve?" O fogo chegou aos jornais estrangeiros

Turistas retirados relatam o medo que sentiram: "Estávamos tão perto que víamos as chamas". Jornais ingleses, irlandeses e franceses seguem incêndio

"Todos os turistas foram retirados em segurança, mas estávamos tão perto, a cerca de um quilómetro do incêndio, que víamos as chamas." O relato é reproduzido no Daily Mail, um dos vários jornais britânicos que estão a seguir o fogo que continua a alastrar no Algarve, sublinhando-se que a maioria das pessoas retiradas das Termas de Monchique são cidadãos britânicos.

Numa peça em atualização contínua, o jornal recorda ainda os incêndios de Pedrógão, no ano passado, e o recente drama vivido na Grécia.

O terrível fogo que continua por controlar é também notícia noutras publicações como o Independent, que recorda os mais de 40 feridos que precisaram já de ser assistidos, ou ainda o Express, que deixa uma série de conselhos aos leitores e questiona: "É seguro viajar para o Algarve?"

A publicação dá ainda conta de que as viagens para Sul de Portugal estão já na lista de alertas do Ministério dos Negócios Estrangeiros britânicos, que "desaconselha viagens para o Algarve".

Numa altura em que a região recebe o maior número de turistas estrangeiros, também os jornais franceses mostram preocupação em seguir o fogo que começou há cinco dias em Monchique e parece agora aproximar-se de Silves.

Enquanto o L'Obsfala numa "mobilização sem precedentes" que não tem chegado para aplacar as chamas e as condições climáticas extraordinárias, o Libération faz uma descrição pormenorizada dos "esforços imensos" levados a cabo por mil bombeiros, uma centena de soldados, 330 veículos, 19 aviões e helicópteros destacados para o Algarve.

Outras publicações de países europeus que se encontram entre os principais emissores de turistas para o Algarve, incluindo o Spiegel e o Deutsche Welle, estão também a seguir o fogo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.