Fogo em Monchique faz 44 feridos e obriga a evacuar resort

Há registo de casas ardidas e de 44 feridos. Um deles, uma senhora de 72 anos, está em estado grave. 1080 operacionais estão a combater as chamas com o apoio de 357 meios terrestres e sete aéreos. Fogo avança esta manhã em direção à Estrada Nacional 124

O número de feridos no incêndio na serra de Monchique subiu, ao início da manhã desta segunda-feira, para 44, anunciou Abel Gomes, segundo comandante distrital da proteção Civil de Faro.

As chamas não deram tréguas durante a noite e uma unidade hoteleira no lugar do Montinho, em Monchique, foi evacuada perto das 00:00, com os hóspedes a ser distribuídos por dois outros hotéis junto a Alvor, disse à Lusa um funcionário. De acordo com este funcionário do Macdonald Monchique Resort & Spa, a ocupação estava a 70%.

Segundo site da Proteção Civil, atualizado às 09:34, o fogo está a ser combatido por 1080 operacionais, de sete entidades diferentes, apoiados por 315 meios terrestres e sete aéreos.

Há 44 feridos a registar, um deles, uma senhora de 72 anos, em estado grave. Segundo disse à Lusa a Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC) esta foi transportada de helicóptero para o hospital de Santa Maria em Lisboa.

Segundo Manuel Cordeiro, adjunto de operações nacional da ANPC, até às 05:45 o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) tinha registado 64 ocorrências, com 40 pessoas assistidas (12 civis e 28 agentes da proteção civil).

Em direção à Estrada Nacional 127

O responsável explicou que, ao início da manhã, o incêndio progredia em duas frentes: uma em direção a Caldas de Monchique e Vale do Boi e outra a avançar em direção à freguesia de São Marcos da Serra.

A mesma fonte explicou que o fogo ladeou durante a noite a barragem de Odelouca, que ao início da manhã de hoje progredia em direção à Estrada Nacional 124 (que percorre as serras algarvias e atualmente liga Lagos a Alcoutim) e que foram colocadas no terreno diversas máquinas de rastro para tentar travar o avanço das chamas.

Pelas 07:00 eram visíveis ainda várias pessoas nas ruas e bombeiros, que estendidos no chão, aproveitavam para descansar, retemperando forças para voltar ao combate às chamas, que ainda lavram numa das encostas.

Na loja de conveniência de uma estação de combustível, um dos poucos espaços abertos a esta hora e onde foi necessário recorrer a um gerador de eletricidade, populares e alguns elementos da corporação de bombeiros do município vizinho de Silves e também de Olhão faziam uma pausa para o café.

"Ninguém conseguiu dormir. O ar está irrespirável e a preocupação é muita"

"Ninguém conseguiu dormir. O ar está irrespirável e a preocupação é muita", diz à agência Lusa Jorge Santos, residente na vila de Monchique, perspetivando um resto de dia "muito complicado".

Outros moradores, ouvidos pela Lusa, queixaram-se da atuação dos bombeiros, uma vez que "permitiram que as chamas chegassem tão perto da vila de Monchique".

"O fogo começou a 20 quilómetros daqui. Porque deixaram que crescesse tanto? Além do mais o comando deste incêndio devia ser feito por alguém dos bombeiros de Monchique, não por alguém que vem de Faro e não conhece o território", aponta um dos moradores, enquanto observa todo o aparato que se faz sentir dentro desta vila algarvia.

A circulação dentro da vila de Monchique estava às primeiras horas da manhã condicionada ao trânsito, assim como a estrada nacional 266, proveniente de Portimão.

Aldeias evacuadas e casas ardidas

Entretanto, os habitantes que foram retirados de algumas aldeias ameaçadas pelas chamas pernoitaram numa escola de Monchique, com condições criadas pela Câmara Municipal para as albergar em segurança.

Segundo imagens em direto da SIC Notícias, mas também o site do jornal algarvio Sul Informação, confirma-se a informação de que há casas ardidas.

Este incêndio deflagrou cerca das 13:30 de sexta-feira, em Perna da Negra, no concelho de Monchique, e obrigou à evacuação de vários aglomerados habitacionais ao longo dos três dias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.