Incêndios: Jerónimo de Sousa diz que se está na "estaca zero"

O líder comunista está de visita às zonas afetadas pelos fogos de outubro de 2017 e considerou não haver progressos significativos

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, criticou a atuação do Governo no apoio às populações afetadas pelos incêndios de outubro de 2017, considerando que, nove meses depois, se está na "estaca zero".

Para o líder comunista, "não há progressos significativos", considerando que, no terreno, ainda se está "num quadro mais de demolição do que de construção", referiu Jerónimo de Sousa, que visita hoje vários locais afetados pelos incêndios de outubro de 2017.

Jerónimo de Sousa, que falava aos jornalistas em Treixedo, aldeia de Santa Comba Dão, considera que há uma "contradição" entre "anúncios de pompa e circunstância de combate à desertificação, de políticas de apoio ao interior e depois não se responder" a problemas concretos no terreno.

Tendo em conta aquilo que aparece anunciado - de milhões e milhões de euros para acudir a estas situações - aqui, passados nove meses, podemos dizer que estamos na estaca zero.

O secretário-geral do PCP apontou para casos de habitantes que não tiveram acesso aos apoios de até cinco mil euros para a agricultura, ou para a morosidade na reconstrução das primeiras habitações.

Além disso, Jerónimo de Sousa chamou a atenção para a necessidade de se garantir o apoio à reconstrução das segundas habitações, por representarem dinâmicas que "combatem o próprio processo de despovoamento".

"Muitas vezes, acusa-se estas populações do interior de serem desconfiadas, mas a verdade é que têm razões para terem desconfiança", notou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...