Fogo em Proença-a-Nova combatido por 231 bombeiros

O número de operacionais a combater hoje o incêndio em mato e pinhal no concelho de Proença-a-Nova, distrito de Castelo Branco, aumentou para 231, apoiados por cinco meios aéreos, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil.

O fogo lavra na freguesia de Montes da Senhora desde as 10.57, sem, no entanto, ameaçar habitações e população, adiantou à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Castelo Branco.

Segundo a mesma fonte, o incêndio tem uma frente ativa e 75% do perímetro do fogo está controlado.

No terreno estão 231 operacionais apoiados por 69 viaturas e cinco meios aéreos, tendo já sido acionados grupos de reforço de Santarém e Leiria.

Segundo a página da internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil, a estrada municipal 545 está encerrada ao trânsito.

A ANPC registava, às 16.15, 24 incêndios rurais, que mobilizavam 484 operacionais, 140 viaturas e sete meios aéreos.

Dos 24 fogos, seis estavam ativos e os restantes em resolução e conclusão.

Na sexta-feira, a ANPC alertou para o perigo de incêndio rural, entre sábado e terça-feira, devido à subida da temperatura.

Segundo a Proteção Civil, o risco de incêndio, com níveis "elevado" a "muito elevado", ocorre em especial na região de Lisboa e Vale do Tejo, nos distritos de Viseu, Aveiro, Guarda, Braga, Vila Real e Bragança.

Perante este cenário, a ANPC refere que "a queima de matos cortados e amontoados e qualquer tipo de sobrantes de exploração está sujeita a autorização da autarquia local, devendo esta definir o acompanhamento necessário para a sua concretização, tendo em conta o risco do período e a zona em causa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.