Fogo em Proença-a-Nova combatido por 231 bombeiros

O número de operacionais a combater hoje o incêndio em mato e pinhal no concelho de Proença-a-Nova, distrito de Castelo Branco, aumentou para 231, apoiados por cinco meios aéreos, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil.

O fogo lavra na freguesia de Montes da Senhora desde as 10.57, sem, no entanto, ameaçar habitações e população, adiantou à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Castelo Branco.

Segundo a mesma fonte, o incêndio tem uma frente ativa e 75% do perímetro do fogo está controlado.

No terreno estão 231 operacionais apoiados por 69 viaturas e cinco meios aéreos, tendo já sido acionados grupos de reforço de Santarém e Leiria.

Segundo a página da internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil, a estrada municipal 545 está encerrada ao trânsito.

A ANPC registava, às 16.15, 24 incêndios rurais, que mobilizavam 484 operacionais, 140 viaturas e sete meios aéreos.

Dos 24 fogos, seis estavam ativos e os restantes em resolução e conclusão.

Na sexta-feira, a ANPC alertou para o perigo de incêndio rural, entre sábado e terça-feira, devido à subida da temperatura.

Segundo a Proteção Civil, o risco de incêndio, com níveis "elevado" a "muito elevado", ocorre em especial na região de Lisboa e Vale do Tejo, nos distritos de Viseu, Aveiro, Guarda, Braga, Vila Real e Bragança.

Perante este cenário, a ANPC refere que "a queima de matos cortados e amontoados e qualquer tipo de sobrantes de exploração está sujeita a autorização da autarquia local, devendo esta definir o acompanhamento necessário para a sua concretização, tendo em conta o risco do período e a zona em causa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".