Incêndio de Monchique destruiu "cerca de 50" casas

Presidente da Câmara faz o balanço provisório dos danos. Estima que metade serão casas de primeira habitação.

O número de casas destruídas total ou parcialmente durante o incêndio que deflagrou na sexta-feira em Monchique, no Algarve, pode chegar a "cerca de 50", disse à Lusa o presidente da Câmara, Rui André.

"Neste momento, e sem ter um levantamento exaustivo, teremos cerca de 50 habitações destruídas, totalmente ou parcialmente. Estamos neste momento a avaliar para percebermos as reais condições dessas casas, para podermos começar a fazer contas e vermos os prejuízos deste incêndio", disse o autarca.

De acordo com o presidente da Câmara Municipal de Monchique, no distrito de Faro, ainda não foi possível determinar se se trata de casas de primeira ou de segunda habitação, estando uma equipa multidisciplinar a passar pelas zonas afetadas pelo fogo.

"Penso que de primeira habitação, totalmente destruídas, serão menos de metade desse número [50]", afirmou Rui André, sublinhando que existem também "anexos ou casas de apoio" afetados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.