Incêndio em Monchique. 12 máquinas de rasto no terreno para abrir linhas de combate

ATUALIZAÇÃO. Fogo mantém-se ativo e combate prolonga-se pela madrugada

Um incêndio na Serra de Monchique, que deflagrou sexta-feira à tarde, pelas 14.31, está no início da madrugada deste sábado a ser combatido por 578 operacionais, apoiados por 167 veículos. Durante o dia, entraram dez meios aéreos em operação e já à noite entraram em ação 12 máquinas de rasto para abrir linhas de combate ao fogo, em operações que se adivinhavam irem durar muito tempo.

O fogo fez com que os habitantes, cerca de "meia duzia", do sítio das Taipas, aldeia a sul da Perna da Negra, local onde deflagrou o incêndio, fossem retirados de suas casas, por precaução, disse o presidente da Câmara de Monchique, Rui André.

Ao fim da tarde, o comandante de operações de socorro Abel Gomes fez o balanço da situação, dando conta que nove operacionais - oito bombeiros e um sapador - tiveram de receber assistência médica no local - são "feridos leves" -, devido ao "esforço despendido no combate ao com e às elevadas temperaturas" que se fazem sentir.

O comandante Abel Gomes afirmou, às 19:50, que o fogo tinha ainda duas frentes ativas, uma das quais se dirige agora para a localidade de Foz do Carvalhoso, disse o responsável da proteção civil adiantando que as autoridades estão a postos para a necessidade de retirarem os habitantes desta localidade.

"Vai ser uma tarefa difícil dominar este incêndio, espera-se uma noite muito complicada, de muito trabalho e muito exigente", referiu Abel Gomes.

O incêndio​​ começou de forma "explosiva", conta o responsável, tendo a Proteção Civil respondido ao alerta com um "despacho massivo de meios, muito musculado".

O comandante de operações de socorro afirmou ainda que não havia registo de habitações ardidas, apenas alguns armazéns de apoio agrícola foram afetados.

Incêndio "complexo"

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Faro, que não conseguiu precisar o número de pessoas retiradas, a população foi "deslocada de forma preventiva para ficar em segurança".

Trata-se de um incêndio "complexo", numa zona onde "há muito vento" e cujos acessos "são difíceis".

Um bombeiro da zona publicou um vídeo na rede social Facebook, onde se mostrou "preocupado" com o fogo naquela área.

Uma zona rural do concelho de Monchique já tinha sido atingida por um incêndio, na quinta-feira à tarde, dominado cerca de duas horas depois após um combate travado por 113 homens e seis meios aéreos.

Por causa da persistência de valores elevados das temperaturas máximas o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) estendeu o aviso vermelho, o mais grave, em 11 distritos de Portugal continental até ao início da tarde de domingo, prevendo para hoje valores acima dos 40 graus em grande parte do território.

Face à onda de calor que afeta o país pelo menos até domingo, com temperaturas máximas acima dos 40º e que na quinta-feira bateram recordes históricos, a Proteção Civil estendeu o estado de alerta especial relativo aos meios de combate a incêndio aos distritos do Porto, Leiria, Aveiro, Braga, Viana do Castelo e Coimbra.

Este ano, o dispositivo de combate a fogos florestais engloba 56 meios aéreos (incluindo um na Madeira), cerca de 11 mil operacionais e mais de três mil meios terrestres (nomeadamente viaturas).

Notícia atualizada às 00:10 de sábado

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.