Greve na CP suspensa

Promessa do governo de contratação de trabalhadores operacionais motivam a suspensão da pralisação.

O Sindicato Ferroviário da Revisão e Comercial Itinerante (SFRCI) suspendeu esta sexta-feira o pré-aviso de greve marcada para segunda e terça-feira depois de o Governo ter acordado "a contratação de trabalhadores operacionais" e outras áreas necessárias da CP.

Em comunicado, o SFRCI adianta que, na sequência de uma reunião com o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, "em concertação com o Ministério das Finanças, com vista à manutenção de um processo de diálogo e concertação laboral", ficou acordado entre as partes "a contratação de trabalhadores operacionais da área comercial e outras áreas necessárias à operação da CP - Comboios de Portugal", entre outras matérias.

Nesse sentido, o SFRCI "decidiu suspender o pré-aviso de greve em vigor para os dias 20 e 21 de maio, por considerar que estão estabelecidas as condições indispensáveis para a manutenção de uma plataforma de entendimento, que se pretende estável e duradoura", conclui o sindicato.
A greve abrangia os revisores, trabalhadores de bilheteiras e outros funcionários da CP -- Comboios de Portugal.

A paralisação nacional tinha sido convocada para protestar contra o "incumprimento de dois acordos que o Governo fez com este sindicato, o primeiro em setembro de 2017, que visava recrutar 88 trabalhadores para a área comercial e que ainda não está concretizado", disse no final de abril à Lusa o presidente do SFRCI.

A outra promessa que o SFRCI afirma não ter sido concretizada é "a negociação do acordo coletivo de trabalho, que tem 20 anos, e que deveria ter sido finalizado até 30 de setembro".

Esta sexta-feira, também em comunicado, o Governo tinha anunciado que "está a analisar e desenvolver um conjunto de medidas" para responder às necessidades operacionais e de pessoal da CP, reafirmando a "prioridade na ferrovia" como forma de promover a mobilidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Benfica

Benfica. Os jogadores com mercado, a garantia de Vieira e a folga financeira

A época terminou, o Benfica conquistou o 37.º título da sua história e em breve vão começar as movimentações do mercado. João Félix é o jogador mais cobiçado, mas há também Rúben Dias, Grimaldo e outros. Se prevalecer a palavra de Vieira, nenhum dos miúdos formados em casa sairá por menos da cláusula de rescisão. Será mesmo assim?