Furacão Leslie perde intensidade e dirige-se mais para norte

Área que irá ser mais afetada é a faixa litoral entre Setúbal e Porto. Quedas de árvores e de estruturas e inundações são as maiores preocupações

O furacão Leslie alterou a sua trajetória e irá chegar mais rapidamente a terra, com a faixa litoral a norte de Lisboa a ser agora a zona de potencial maior risco. O comandante Belo Costa, da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), disse aos jornalistas que o Leslie "perdeu intensidade, mas vai chegar mais rapidamente do que era previsto". A sua trajetória mudou e afetará mais a zona a norte de Lisboa, "numa faixa entre Setúbal e Porto".

Entre Lisboa e Aveiro, estão as zonas que podem ser mais afetadas - são os distritos de Leiria, Coimbra e Aveiro - e as preocupações são o "vento forte, galgamentos costeiros por força da agitação marítima e também precipitação intensa", que pode gerar inundações, como referiu o responsável da ANPC.

Belo Costa desmentiu que as pontes Vasco da Gama e 25 de Abril estejam para encerrar. "Não está previsto", garantiu, embora deixasse a ressalva que tal pode vir a ser necessário e que será decidido em articulação com as concessionárias. Fonte da PSP confirmou que não há nenhuma indicação para o encerramento temporário das pontes, admitindo que a situação se possa alterar. No Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, há alguns voos que foram cancelados. A TAP já anunciou que cancelou sete voos, com partidas de Lisboa e Porto, devido ao mau tempo.

A ANPC estima que ns zonas costerias as quedas de ávores e de estruturas, os danos nas redes de transporte de energia e telecomunicações e os efeitos na circulação rodoviária sejam consequências possíveis do furacão, pedindo por isso às pessoas que evitem circular de carro entre 23.00 e as 04.00.

A Autoridade Nacional de Proteção Civil emitiu uma série recomendações que podem ser consultadas na sua página de facebook e no site oficial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Líderes

A União Europeia e a crise dos três M. May, Macron e Merkel

Já lhe chamam a crise dos três M. May, Macron e Merkel, líderes das três grandes potências da UE, estão em apuros. E dos grandes. Numa altura em que, a poucos meses das eleições para o Parlamento Europeu, florescem populismos e nacionalismos de toda a espécie, pela Europa e não só, a primeira-ministra do Reino Unido, o presidente de França e a chanceler da Alemanha enfrentam crises internas que enfraquecem a sua liderança e, por arrastamento, o processo de integração da UE.