Força Aérea presta assistência a Cessna em emergência no Alentejo

A Força Aérea Portuguesa prestou assistência a um avião civil Cessna 152 na passada quarta-feira, que se encontrava perdido e sem comunicações na zona de Casa Branca, distrito de Évora, anunciou hoje a entidade.

Este ramo das forças armadas adiantou, em comunicado, que no passado dia 05 de dezembro o avião Epsilon TB-30, em voo de instrução e a cerca de seis quilómetros a sul de Mora, "foi empenhado pelo controlo militar de Lisboa para prestar apoio ao Cessna em emergência".

Através de sinais visuais, os militares da Força Aérea "conseguiram encaminhar o piloto da aeronave civil até ao aeródromo de Tires, concelho de Cascais, onde aterrou em segurança", acrescentou.

"Esta operação exigiu do instrutor da Esquadra 101 - Roncos, um desempenho em voo e uma tomada de decisão assinaláveis, pela dificuldade em acompanhar uma aeronave cuja velocidade é em muito inferior à do Epsilon e, ao mesmo tempo, por ter conseguido transmitir as instruções necessárias através de sinais visuais, garantindo a comunicação eficiente entre as duas aeronaves, fator chave no sucesso da missão", conclui a Força Aérea.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.