Estudo crítico sobre o SIRESP não é do instituto que o assina

Universidade de Aveiro garante que, tal como o Instituto de Telecomunicações, não fez nenhum estudo sobre o sistema de telecomunicações de emergência.

O Instituto de Telecomunicações não será o responsável pelo relatório que arrasa o Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) e que foi entregue ao governo recentemente. Esta indicação foi dada à rádio TSF pela Universidade de Aveiro cujo reitor Paulo Jorge Ferreira que disse não ser correto apresentar o IT e a sua Universidade como autores do estudo sobre o SIRESP.

O documento que foi enviado ao Ministério da Administração Interna é, segundo a TSF, apresentado como sendo feito pelo Instituto de Telecomunicações (IT) e além do símbolo do IT são apresentados, entre outros, os símbolos da Universidade de Aveiro, do Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa e até da Altice Labs (uma empresa de inovação tecnológica do grupo Altice que ainda é dono da maioria do SIRESP).

O IT é uma organização privada, não lucrativa, de interesse público que resulta de uma parceria de nove instituições, entre elas várias universidades e algumas empresas de tecnologia como a Altice Labs.

O reitor da Universidade de Aveiro salientou que o Instituto de Telecomunicações nunca foi convidado pelo Governo a fazer esse trabalho - se isso tivesse acontecido, garante, os parceiros teriam tido conhecimento do pedido. Paulo Jorge Ferreira diz ser verdade que o presidente do IT presidia também ao grupo de trabalho nomeado pelo Governo, mas sublinha que tal como outros nomes Carlos Salema não foi nomeado nessa qualidade mas sim a título pessoal enquanto especialista no assunto.

Carlos Salema é também professor do Instituto Superior Técnico e presidente da Academia das Ciências e no despacho consultado pela TSF nunca é referido, de facto, o Instituto de Comunicações.

O reitor da Universidade de Aveiro admite que espera um esclarecimento para que se perceba o que se passou pois garante que o IT não teve nada a ver com o estudo.

Exclusivos