"Este sítio é gerido por amadores". As fotos de um passageiro irritado

Um só balcão aberto esta tarde no controlo de passaportes para passageiros não Schengen, no aeroporto Humberto Delgado. A fila fala por si

No aeroporto, as filas de espera no controlo dos passaportes, para apanhar voo, não dão tréguas. Hoje à tarde está assim, como se pode ver pelas imagens que foram enviadas ao DN por um passageiro a beira de um ataque de nervos, depois de quase uma hora de espera para passar no controlo.

"Os habituais 45 minutos de demora para sair [do aeroporto], Um funcionário a carimbar passaportes de fora da UE, é uma anedota", comenta o cidadão americano, autor destas imagens, "Os passageiros na fila estão a passar-se, é absolutamente inconcebível, duas pessoas sem fazer nada nas chegadas. Este sítio é gerido por amadores".

A situação desta tarde mostra que, apesar das sucessivas denúncias, incluindo no DN, sobre o funcionamento deficiente que crescentemente tem afetado os passageiros no aeroporto Humberto Delgado, e que apesar das preocupações já manifestadas publicamente pelo presidente da câmara de Lisboa, Fernando Medina, sobre o efeito negativo destes problemas para a imagem da capital, tudo continua por resolver.

Fernando Medina disse no início desta semana estar "muito preocupado com a situação do Aeroporto de Lisboa", que "como era antecipável, se encontra numa situação de esgotamento", por "falta de decisões, ao longo dos anos", para evitar que se chegasse a este ponto.

Para autarca, há muito que se deveria ter feito investimento público para expandir e aumentar a capacidade no aeroporto Humberto Delgado. E pelo que não se fez, Medina responsabiliza o anterior governo, liderado por Passos Coelho, que "considerou" esse investimento "um devaneio de governações socialistas".

Os problemas no aeroporto são conhecidos, com turistas à espera de bagagens, e fazer filas no controlo de passaportes, mas também com perturbações a avolumarem-se também nas partidas. O lugar do aeroporto Humberto Delgado, no ranking de atrasos, com apenas 45,5% de pontualidade, diz quase tudo: é o 12.º pior entre 1193 aeroportos.

Fernando Medina, que considera que a situação "está a causar impactos negativos na imagem da cidade e do país", reforçou esta semana "o apelo e a exigência da cidade de Lisboa para que rapidamente sejam tomadas as decisões que se impõem", Não deixou, no entanto de manifestar a sua "convicção" de que "a situação se vai agravar antes de conhecer melhorias".

As imagens desta tarde, chegadas ao DN, parecem dar-lhe razão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?