Sábado foi o dia mais quente de sempre em Lisboa e noutros 24 locais

As três estações meteorológicas de Lisboa registaram as temperaturas mais altas desde que há registos. Alvega, no Ribatejo, voltou a ser o local mais quente do país, num dia em que se bateram recordes em 24 locais

Dia 4 de agosto de 2018 é para já o dia mais quente de sempre em Lisboa. A confirmação foi dada ao DN pela meteorologista Paula Leitão, do Instituto Português do Ar e da Atmosfera (IPMA): "Pode dizer-se que, de facto, foi o dia mais quente de sempre em Lisboa, na análise às nossas estações, pois bateram-se os recordes anteriores." Às 17.00 atingiram-se os 44 graus na estação da Avenida Gago Coutinho.

Nesta estação e na da Tapada da Ajuda, o recorde já tinha sido batido na sexta-feira - na primeira as temperaturas chegaram aos 42 graus e na segunda aos 40,9. Mas estes valores voltaram a ser ultrapassados hoje. Na estação do Instituto Geofísico, mais no centro da cidade, registou-se este sábado a temperatura mais elevada de sempre: 42,1 graus às 15.00 horas -, batendo a marca de 2003, que eram 41,8 graus.

A temperatura mais alta este sábado em Portugal registou-se em Alvega, no distrito de Santarém, que chegou aos 46,8 graus

Ainda de acordo com Paula Leitão, a temperatura mais alta este sábado em Portugal registou-se em Alvega, no distrito de Santarém, que chegou aos 46,8 graus. Santarém, com 46,3, Alcácer do Sal (46,2), Coruche (46,1), Alvalade (46,1) e Pegões (46) são os outros locais que atingiram ou ultrapassaram os 46 °C. Vale a pena salientar que em 16 das 96 estações do continente houve temperaturas iguais ou superiores a 45 graus.

No total, a temperatura do ar bateu os respetivos recordes em 26 estações (três em Lisboa).

Mais de metade das estações do continente (60%) registram máximas superiores a 40 graus - mais cinco em relação a sexta-feira.

Aviso vermelho em 11 distritos até ao final de domingo

Apesar de sábado ser o dia que as previsões apresentavam como mais complicado, os avisos vermelhos devido ao calor vão manter-se até este domingo em 11 distritos de Portugal continental, indicou do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). Isto porque "até dia 06 de agosto, a temperatura máxima do ar, em grande parte do território continental, irá registar valores da ordem de 40 graus".

Devido à "persistência de valores elevados da temperatura máxima", estão em aviso vermelho até à meia-noite de domingo os distritos de Bragança, Évora, Guarda Vila Real, Setúbal, Santarém, Lisboa, Beja, Castelo Branco, Portalegre e Braga. Em sete destes 11 distritos, o aviso vermelho de calor é agora acompanhado de um aviso laranja para trovoada.

Para domingo, o IPMA refere que "apesar de haver tendência para uma pequena descida da temperatura, em vários locais do Alentejo, vales dos rios Douro e Tejo e na Beira Baixa a temperatura máxima poderá ainda atingir 45 graus e, num ou outro local, ultrapassar este valor".

Segundo o IPMA, registar-se-á até domingo à noite "ocorrência de trovoada em alguns locais" dos distritos de Évora, Guarda, Faro, Setúbal, Beja, Castelo Branco e Portalegre, com "condições para rajadas de vento fortes".

Na segunda-feira, "a temperatura deverá registar uma descida, sendo acentuada a descida da temperatura máxima no litoral oeste", ao passo que no dia 07 de agosto, terça-feira, o IPMA prevê "uma descida da temperatura em todo o território, com exceção do Algarve, devendo os valores mais altos da temperatura máxima atingir valores próximos de 35 graus no Alentejo e Algarve, e entre 24 e 30 graus no litoral oeste".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.