Prisão preventiva para filha e genro de professora assassinada

A investigação policial "teve início numa participação do suposto desaparecimento" da mulher, de 59 anos. Tribunal do Montijo decretou prisão preventiva para a filha e o genro, os dois suspeitos

Uma professora, de 59 anos, que estava desaparecida desde sábado, no Montijo, distrito de Setúbal, foi encontrada morta na quinta-feira. Filha e genro foram detidos no âmbito desta investigação.

Em comunicado, a Polícia Judiciária refere que os detidos, "filha e genro", que viviam com a mulher, "na sequência de inúmeras desavenças, delinearam um plano, executado conjuntamente, para lhe tirar a vida".

Segundo a tese da polícia, a professora foi assassinada no passado sábado, dia 1. "Pela hora do jantar, usando fármacos, colocaram-na na impossibilidade de resistir, agrediram-na violentamente no crânio com um objeto contundente, colocaram-na na bagageira de uma viatura e transportaram-na para a zona de Pegões, onde, com recurso a um acelerante, lhe pegaram fogo", relata a PJ.

"O corpo foi localizado, completamente carbonizado", no passada quarta-feira, dia 5, à noite.

A Polícia Judiciária refere que deteve os suspeitos," um homem e uma mulher, com 27 e 23 anos", respetivamente "​​​por sobre eles recaírem fortes indícios da prática dos crimes de homicídio qualificado e profanação de cadáver".

A investigação policial "teve início numa participação do suposto desaparecimento" da mulher, de 59 anos, "na sequência de uma comunicação da filha", informa a PJ.

De acordo com fonte da Polícia de Segurança Pública (PSP) de Setúbal, a professora estava desaparecida desde sábado (1 de setembro), mas o alerta só foi dado a esta força de segurança na segunda-feira.

Uma filha da vítima partilhou esta semana um apelo na rede social Facebook, informando que a mulher, professora no Montijo e com 59 anos, tinha sido vista pela última vez, pela família, na noite de sábado, quando "avisou que iria sair".

Entretanto, o Tribunal do Montijo decretou esta sexta-feira prisão preventiva para o casal suspeito de ter matado uma professora, que é mãe e sogra dos arguidos, na sequência de desavenças familiares, disse à agência Lusa fonte policial. ​Os dois suspeitos, a filha adotiva e o genro da vítima, vão aguardar julgamento nos estabelecimentos prisionais de Tires e do Montijo, respetivamente.

O crime terá sido o culminar de desentendimentos frequentes entre Amélia Fialho, de 59 anos, professora de Físico-Química na Escola Secundária Jorge Peixinho, no Montijo, e a filha adotiva e o genro.

O mau relacionamento familiar entre a vítima e os dois arguidos remonta, pelo menos, a 2014, ano em que a PSP do Montijo terá sido chamada a casa da família por alegadas agressões da filha adotiva à professora, agora assassinada.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.