Prisão preventiva para filha e genro de professora assassinada

A investigação policial "teve início numa participação do suposto desaparecimento" da mulher, de 59 anos. Tribunal do Montijo decretou prisão preventiva para a filha e o genro, os dois suspeitos

Uma professora, de 59 anos, que estava desaparecida desde sábado, no Montijo, distrito de Setúbal, foi encontrada morta na quinta-feira. Filha e genro foram detidos no âmbito desta investigação.

Em comunicado, a Polícia Judiciária refere que os detidos, "filha e genro", que viviam com a mulher, "na sequência de inúmeras desavenças, delinearam um plano, executado conjuntamente, para lhe tirar a vida".

Segundo a tese da polícia, a professora foi assassinada no passado sábado, dia 1. "Pela hora do jantar, usando fármacos, colocaram-na na impossibilidade de resistir, agrediram-na violentamente no crânio com um objeto contundente, colocaram-na na bagageira de uma viatura e transportaram-na para a zona de Pegões, onde, com recurso a um acelerante, lhe pegaram fogo", relata a PJ.

"O corpo foi localizado, completamente carbonizado", no passada quarta-feira, dia 5, à noite.

A Polícia Judiciária refere que deteve os suspeitos," um homem e uma mulher, com 27 e 23 anos", respetivamente "​​​por sobre eles recaírem fortes indícios da prática dos crimes de homicídio qualificado e profanação de cadáver".

A investigação policial "teve início numa participação do suposto desaparecimento" da mulher, de 59 anos, "na sequência de uma comunicação da filha", informa a PJ.

De acordo com fonte da Polícia de Segurança Pública (PSP) de Setúbal, a professora estava desaparecida desde sábado (1 de setembro), mas o alerta só foi dado a esta força de segurança na segunda-feira.

Uma filha da vítima partilhou esta semana um apelo na rede social Facebook, informando que a mulher, professora no Montijo e com 59 anos, tinha sido vista pela última vez, pela família, na noite de sábado, quando "avisou que iria sair".

Entretanto, o Tribunal do Montijo decretou esta sexta-feira prisão preventiva para o casal suspeito de ter matado uma professora, que é mãe e sogra dos arguidos, na sequência de desavenças familiares, disse à agência Lusa fonte policial. ​Os dois suspeitos, a filha adotiva e o genro da vítima, vão aguardar julgamento nos estabelecimentos prisionais de Tires e do Montijo, respetivamente.

O crime terá sido o culminar de desentendimentos frequentes entre Amélia Fialho, de 59 anos, professora de Físico-Química na Escola Secundária Jorge Peixinho, no Montijo, e a filha adotiva e o genro.

O mau relacionamento familiar entre a vítima e os dois arguidos remonta, pelo menos, a 2014, ano em que a PSP do Montijo terá sido chamada a casa da família por alegadas agressões da filha adotiva à professora, agora assassinada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.