Kamovs sem certificado para voar na UE. Governo diz que licença foi dada pela ANAC

Três helicópteros pesados de combate a incêndios estão em Portugal com autorização especial. A licença foi dada pela entidade reguladora da aviação.

Os três helicópteros Kamov contratados pelo Estado para o combate aos incêndios pertencem a uma empresa moldava que não tem autorização para voar no espaço europeu, revela esta quinta-feira o JN. A empresa esteve mesmo na lista negra da União Europeia, segundo o jornal.

Ula Loew, o porta-voz da Agência Europeia da Seguraça da Aviação (AESA), explicou ao JN que a "Pecotox não possui atualmente uma autorização de TCO [sigla em inglês para operadores de países terceiros]" para poder operar no espaço aéreo europeu.

A sua integração no dispositivo de combate aos incêndios só foi possível graças a uma autorização especial - a HeliPortugal, que recorreu à Pecotox, fez um pedido especial à Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC).

O gabinete do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, esclarece que "a licença para a operação, exigida pela entidade contratante - a Autoridade Nacional de Proteção Civil - é concedida pela entidade reguladora (ANAC)", não tendo o ministério "qualquer intervenção nessa matéria".

O MAI abriu um procedimento para a contratação de helicópteros pesados e o caderno de encargos tinha várias exigências, nomeadamente requisitos técnicos (capacidade de transporte de água e autonomia de horas de voo) e certificação da aeronavegabilidade, da responsabilidade da ANAC.

O contrato, no valor de 3,6 milhões de euros, foi feito depois de os três Kamov do Estado terem ficado impedidos de operar na sequência de uma diferendo entre a Proteção Civil e a empresa Everjets.

A empresa moldava obteve agora uma autorização temporária para trazer os helicópteros para Portugal, depois de ter ficado mais de 10 anos sem autorização também para funcionar no seu próprio país. Os três helicópteros Kamov ficam em Portugal até 31 de outubro, ou seja, até ao final de época mais crítica de incêndios.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.