Dois linces-ibéricos vão ser libertados esta quinta-feira

Já foram libertados, desde 2014, 37 linces na área do Vale do Guadiana, classificado como Sítio de Importância da Rede Natura 2000

Dois linces-ibéricos, um macho e uma fêmea, ambos com 11 meses de idade, vão ser libertados esta quinta-feira de manhã, em Mértola. Os dois animais, oriundos do Centro Nacional de Reprodução em Cativeiro de Silves e do Centro La Granila, em Espanha, vão ser libertados na presença da secretária de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, Célia Ramos, segundo comunicado enviado à imprensa.

O lince-ibérico é um dos felinos selvagens mais ameaçados do mundo e este esforço populacional tem como objetivo restabelecer uma população selvagem autónoma e garantir igualmente uma diversidade genética, sublinha o mesmo comunicado, realçando que, desde 2014, já foram libertados 37 linces, na área do Vale do Guadiana, classificado como Sítio de Importância Comunitária da Rede Natura 2000.

Ao longo dos anos tem havido vários casos de atropelamento de linces-ibéricos e, por isso, foram criados sinais de trânsito a alertar para perigo de linches-ibéricos na estrada. A 4 de janeiro deste ano o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas anunciou em comunicado que Mistral, lince-ibérico macho nascido em cativeiro em 2015, foi morto por atropelamento na EN122 a cerca de 10 Km de Mértola (Beja), junto à Herdade de Cela, local onde em maio de 2018 tinha sido atropelado um outro lince, o Olmo.

Esta quinta-feira, refere o mesmo comunicado da secretaria de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, será igualmente inaugurada, em Mértola, no Parque Natural do Guadiana, a exposição "Partilhando Territórios: o Regresso do Lince". A mostra insere-se num programa apoiado pela Comissão Europeia, através do programa LIFE, em Portugal e em Espanha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".