Desconvocada greve nos comboios

Sindicato e administração da Infraestruturas de Portugal chegaram a acordo depois de negociações durante o fim-de-semana

A greve dos controladores de tráfego ferroviário que tinha sido marcada para esta semana, para os dias 27,29 e 31 de agosto, vai ser desmarcada, na sequência de várias reuniões realizadas na Secretaria de Estado das Infraestruturas.

"Após várias reuniões que decorreram na Secretaria de Estado das Infraestruturas nos últimos dias, foi possível estabelecer um acordo conjunto" com a Associação Sindical dos Profissionais do Comando e Controlo Ferroviário" (APROFER), lê-se num comunicado da Infraestruturas de Portugal.

Na nota é referido que ficou estabelecido que a APROFER "irá promover a desconvocação da greve" que estava prevista para os próximos dias 27, 29 e 31 de agosto.

"A Infraestruturas de Portugal congratula-se com o resultado destas negociações, o que permite assegurar a normalidade do serviço ferroviário", lê-se no documento.

Em causa estão três dias de greve convocadas pela APROFER à prestação de trabalho nos Centros de Comando Operacional de Porto, Lisboa e Setúbal para segunda-feira (dia 27), quarta-feira (29) e sexta-feira (31 de agosto), com implicações nos comboios de passageiros e de mercadorias.

Na sexta-feira, a CP -- Comboios de Portugal e a Fertagus admitiram que as paralisações levariam a "fortes perturbações" na circulação ferroviária, apesar de haver serviços mínimos.

Os trabalhadores da IP reivindicam o reconhecimento das carreiras de supervisão, melhorias salariais e que o Governo tenha uma "postura de boa fé" na negociação coletiva, de acordo com os pré-avisos de greve.

São abrangidos os operadores ferroviários CP, Fertagus (comboio que liga Lisboa a Setúbal, atravessando a ponte 25 de Abril), Medway e Takargo (ambas empresas ferroviárias de mercadorias).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.