Demissões na MAC: "Exaustão" e horas extra acima da lei "há vários meses"

Os médicos criticam o encerramento de salas de parto, que já levou à transferência de grávidas em trabalho de parto

Os chefes de equipa de ginecologia e obstetrícia da Maternidade Alfredo da Costa, em Lisboa, que apresentaram uma carta de demissão à administração denunciam a falta de profissionais para assegurar "condições de segurança" na urgência. Os médicos criticam o encerramento de salas de parto, que já levou à transferência de grávidas em trabalho de parto, e afirmam que tanto os "especialistas como os Internos já excederam há vários meses o número de horas extraordinárias máximo previsto na lei".

Na carta, a que o DN teve acesso, os chefes de equipa fazem contas ao número de médicos disponíveis para, "com boa vontade do corpo clínico", assegurar as escalas de urgências: em 27 especialistas, um está de baixa e 20 têm mais de 50 anos. Sendo que entre estes, sete têm mais de 55, a idade a partir da qual podem deixar de fazer bancos de urgências. Existem ainda 15 internos, alguns dos quais fazem formação fora da MAC. Outros três novos especialistas, que terminaram o internato na MAC, ainda não foram contratados.

"As equipas de enfermagem também estão reduzidas e nas mesmas condições físicas de exaustão", alertam os responsáveis clínicos, para depois deixarem críticas a decisões recentes do hospital. "Em vez da contratação de mais pessoa, os dirigentes optaram pelo encerramento de salas de parto, o que implica a necessidade de transferência das grávidas. A denúncia partiu do presidente da secção regional do Sul da Ordem dos Médicos, Alexandre Valentim Lourenço, que no fim de semana avisou que o encerramento de salas de parto na Alfredo da Costa está já a levar à transferência de grávidas a meio de trabalho de parto para outras maternidades.

Agora, os chefes que equipa dizem que a exaustão dos profissionais "se agravará com o período de férias que se aproxima, comprometendo a qualidade dos serviços prestados", serem obterem "por parte da tutela solução para o problema".

Fonte oficial do Centro Hospitalar de Lisboa Central, que integra a Maternidade Alfredo da Costa, indicou à Lusa que a carta foi entregue, mas que os profissionais se mantêm em funções e que a situação se encontra "controlada e ultrapassada". Informação que a Ordem dos Médicos desconhece, esperando para ver se a MAC vai voltar à normalidade de lotação ou contratar mais profissionais,

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.