Coruche. Publicidade a hipermercado junto a mercado revolta vendedores

Profissionais que estão no mercado municipal dizem que anúncio a preços praticados por superfície comercial está a prejudicar o seu negócio. Câmara diz que vai agir

A Câmara Municipal de Coruche quer retirar um painel publicitário de uma superfície comercial que está colocado a 50 metros do mercado municipal, pois os comerciantes queixam-se que aquele anúncio está a prejudicar o seu negócio.

O caso foi contado pelo jornal regional O Mirante, ao qual o presidente da autarquia, Francisco Oliveira, garantiu que vai falar com a empresa para que retire o painel. Frisando que a câmara autoriza os painéis mas não controla o que lá é escrito, refere que, neste caso, "abriremos esta possibilidade e iremos falar com a empresa. Vamos pedir para moverem o painel de local. Se não aceitarem, logo veremos que tipo de publicidade ali colocamos".

Uma das vendedoras no mercado, Maria José Oliveira, citada pelo jornal, explicou que "as pessoas veem os preços lá expostos e não compram nada no mercado porque dizem que somos careiros. Isto não devia ser permitido. Afinal, o mercado municipal é um espaço da câmara e devia ser respeitado como tal".

Outra comerciante ouvida por O Mirante, Maria Adelaide Silva, apresentou a mesma queixa. Segundo a vendedora de produtos hortícolas, os preços praticados pela superfície comercial são uma afronta. "No sábado passado não vendi nem um pepino à conta da publicidade. As pessoas vinham à minha banca, viam que os meus pepinos estavam a 1,20 euros e comentavam logo que nessa superfície comercial estavam a 0,99 euros."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.