Concurso para novos médicos vai arrancar

Garantia foi dada pelo Bastonário dos Médicos: Recém-especialistas terão 1234 vagas a concurso. Lugares para médicos de família podem resolver problema dos utentes fora das listas

O muito antecipado concurso para os recém especialistas que acabaram o internato médico em abril arranca esta semana. A garantia foi dada ao início da noite desta quarta-feira pelo próprio bastonário dos médicos, um dos dirigentes da área da saúde que tem pedido a colocação destes profissionais nos hospitais e centros de saúde. O DN sabe que o despacho foi enviado hoje à tarde para publicação em Diário da República e ao todo estarão 1234 vagas a concurso.

"Caros colegas, amanhã vão ser publicados os concursos para os jovens médicos. Boa escolha para todos". Foi desta forma que Miguel Guimarães informou os recém especialistas da publicação do despacho de abertura do concurso em Diário da República, que deverá acontecer já esta quinta-feira. Segundo o bastonário, a maioria das vagas, como habitualmente, serão atribuídas a especialidades hospitalares (839 vagas), sendo que existem ainda 378 lugares para médicos de família. Contingente que, a ser totalmente colocado nos centros de saúde, - embora o número de profissionais que se vão reformar nos próximos tempos também tenha de entrar na equação - quase que resolveria o problema dos portugueses sem médico de família, número que neste momento se calcula que possa rondar os 700 mil utentes.

Número de novos médicos de família quase que resolveria o problema dos portugueses fora das listas

A concurso estarão ainda 17 vagas para especialistas em saúde pública. Contactada pelo DN, Miguel Guimarães considerou positivo o facto de o número de vagas para Medicina Geral e Familiar até ser superior ao de médicos que terminaram o internato, não deixando, no entanto, de notar o atraso do processo. Já fonte do Ministério da Saúde não quis confirmar estes números, reservando mais informações para quando o despacho for publicado em Diário da República

Recorde-se que ainda esta semana a Ordem dos Médicos, o Sindicato Independente dos Médicos, a Federação Nacional dos Médicos e a Associação das Unidades de Saúde Familiar exigiram a colocação dos mais de mil médicos recém-especialistas que concluíram a sua formação especializada há mais de três meses. No ano passado, a abertura de concursos para os novos especialistas chegou a atingir um atraso de 10 meses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.