Câmara e Madonna acordam verbalmente empréstimo de estacionamento

O acordo decorre das obras que a estrela pop está a fazer na casa onde habita, em Lisboa, mas pode prolongar-se mediante o pagamento de uma renda

Madonna está a fazer obras na casa onde reside na Rua das Janelas Verdes, em Lisboa, e pediu que lhe fosse arranjado estacionamento para cerca de 15 viaturas, entre carros das obras e privados, avançou o Expresso.

O DN contactou a Câmara Municipal de Lisboa que confirmou a cedência do espaço por empréstimo às viaturas de Madonna até ao final das obras, cujo período ainda não está definido. A autarquia revelou ainda que o acordo entre a Câmara e a cantora foi feito de forma verbal, não havendo nenhum contrato escrito.

"A CML confirma que foi feito um acordo para a cedência de espaço de estacionamento nas traseiras do Palácio Pombal. O espaço agora cedido - apenas durante um período limitado enquanto decorrerem as obras nos prédios na Rua das Janelas Verdes - já foi disponibilizado a várias outras entidades, nomeadamente ao Instituto de Conservação e Restauro José Figueiredo até Dezembro de 2017. O objetivo deste acordo precário é evitar perturbações e transtornos no trânsito local, numa artéria estreita mas bastante movimentada, que a entrada e saída de veículos das obras certamente traria para a zona. Findas as obras termina este acordo e será cobrada a verba correspondente", explica fonte da CML ao DN.

Questionado sobre se a cantora já tinha expressado o desejo de continuar a arrendar o espaço uma vez concluídas as obras e de quanto seria este renda, a CML disse não poder responder ainda a tais questões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.