Engenho explosivo em Valença era fogo de artifício. Circulação normalizada

Funcionários da CP detetaram um explosivo entre as duas linhas e chamaram a GNR

A circulação ferroviária na linha do Minho, em Valença, que se encontrava condicionada desde as 14.15, devido a um alerta de engenho explosivo, foi normalizada às 16.40, disse à Lusa fonte da Infraestruturas de Portugal (IP).

A circulação internacional entre Porto e Vigo encontrava-se condicionada a uma linha, na estação de caminhos-de-ferro de Valença, após um alerta de um engenho explosivo situado entre as linhas 1 e a 2.

Contactada pela Lusa, fonte do Comando Territorial da GNR de Viana do Castelo afirmou que o alerta foi dado, cerca das 13.40, por um funcionário da CP.

"A GNR deslocou para o local uma patrulha que acionou a Unidade de Inativação de Explosivos de Braga. A equipa chegou ao local cerca das 15.50, tendo recolhido o artefacto e procedido à sua inativação, em segurança", especificou a fonte.

Aquela fonte revelou tratar-se de "uma balona de pirotecnia, vulgarmente conhecido por fogo-de-artifício que, ao rebentar, faz um efeito de círculo no ar".

A GNR adiantou que o caso está a ser investigado, desconhecendo as razões do aparecimento do engenho explosivo naquele local.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viana do Castelo adiantou que para o local foram mobilizadas duas viaturas e seis operacionais dos bombeiros voluntários de Valença e, ainda, o comandante municipal da Proteção Civil.

(Notícia atualizada)

Exclusivos