Chamadas para o INEM aumentaram 20% nos últimos dias

As chamadas para a emergência médica tiveram um "aumento substancial" nos últimos dias, tendo-se registado mais 20% de telefonemas para o 112.

Questionado pela Lusa sobre se houve um aumento de chamadas e se era possível relacioná-las com o calor intenso dos últimos dias, fonte oficial do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) explicou que a procura dos serviços de emergência médica registou um aumento de 20% nas chamadas realizadas para os Centros de Orientação de Doentes Urgentes (CODU), "motivadas sobretudo pelo agravamento de situações de doença crónica".

Segundo o INEM, o aumento "muito substancial" do número de chamadas de emergência e a consequente ativação de meios "justifica-se pela onda de calor verificada nos últimos dias". O aumento correspondeu a "umas significativas" 764 chamadas a mais, por dia, entre quarta-feira e domingo, comparando com o período homólogo do ano passado.

O aumento do número de chamadas teve "naturalmente impacto" no funcionamento dos CODU, apesar do "reforço de operacionais", que tiveram um "esforço acrescido", segundo a fonte.

Hoje, a Associação de Proteção e Socorro (Aprosoc) disse em comunicado que na última madrugada, às 02.30, o CODU do INEM tinha 18 chamadas em espera e que o número de chamadas em callback (recuperação de chamadas desligadas) era cerca de 90.

A fonte do INEM disse à Lusa que "naturalmente que os tempos de espera para atendimento das chamadas são mais elevados, em consequência do acréscimo muito significativo da procura dos serviços de emergência médica".

E acrescentou que "nenhuma chamada fica sem resposta", até porque o sistema callback permite recuperar chamadas desligadas ou que caíram antes de serem atendidas, havendo profissionais com a função específica de fazer essas chamadas de volta.

De acordo com o INEM, o sistema de triagem nos CODU "permite avaliar rapidamente a situação clínica das vítimas" e estabelecer prioridades no envio de meios de emergência médica, pelo que, apesar do aumento de atividade, "tem sido possível manter uma resposta às várias situações".

"O INEM, fruto do aumento dos pedidos de socorro já referido, tem atendido perto de cinco mil chamadas de emergência por dia, e repudia publicações em alguns fóruns que têm como único objetivo provocar ansiedade e alarme na população portuguesa", adiantou a mesma fonte.

Os cidadãos, salientou a fonte, "podem e devem confiar no INEM e nas restantes instituições" que compõem o Sistema Integrado de Emergência Médica.

O INEM relembrou também que o 112 apenas deve ser usado em situações de emergência, e que as situações referentes a aconselhamento na área da saúde têm o Centro de Contacto do Serviço Nacional de Saúde, o SNS24, através do número 808 24 24 24.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.