Candidato do PAN na invasão da praça de toiros de Albufeira

Tanto a associação PróToiro como o PAN pedem explicações sobre invasão à praça de toiros de Albufeira.

Hélder Silva, um dos ativistas que invadiu a praça de toiros de Albufeira no dia 9, terá concorrido pelo PAN à Câmara Municipal de Moita nas últimas eleições autarquias.

Foi uma das três pessoas que entraram no recinto após a lide do primeiro toiro, posteriormente agredidos pelos aficionados, alegadamente, quando estavam sob a alçada da GNR, como o DN, então, noticiou.

A identificação do candidato do PAN foi avançada esta sexta-feira pela PróToiro, Federação Portuguesa de Tauromaquia, que critica: "é inaceitável que um partido com assento parlamentar incentive ações provocatórias, com o objetivo de desencadear uma reação e apresentar-se como bastião da moral e dos bons costumes".

O DN contactou a assessora de imprensa do PAN para confirmar se o ativista é mesma pessoa que se candidatou à autarquia de Moita, sem êxito.

A PróToiro "repudia e condena situações como as que se verificaram em Albufeira" e, "perante o histórico de distúrbios públicos provocados por estes movimentos nacionais e internacionais", vai pedir ao Ministério da Administração Interna (MAI) uma reunião. O objetivo é "salvaguardar a segurança pública e os direitos de todos os cidadãos, sejam eles pró ou antitaurinos".

Mas também o PAN questionou esta sexta-feira o MAI: "Depois de vídeos amadores terem surgido nas redes sociais e de vários meios de comunicação terem reportado a invasão da arena, por parte de manifestantes pacíficos", quer saber o que se passou sobre a "alegada passividade na gestão da violência dentro e fora da arena", justifica Francisco Guerreiro, porta-voz do PAN.

E protesta: "Perante a violência extrema de alguns espetadores tauromáquicos a manifestantes já imobilizados pela GNR, as autoridades demonstraram sinais de passividade e dualidade de critérios não detendo no local estes agressores".

Quer, ainda, saber quantos feridos houve, que dispositivo estava no local, quantos operacionais foram chamados como reforço e quais as suas identificações, bem como quantas ocorrências similares aconteceram nos últimos dez anos em praças fixas e móveis, dentro e fora dos recintos,

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.