Calor a sério chega para a semana: estão previstos 40°C

O período de calor que em junho assolou países da Europa Central e do Norte está de regresso. E desta vez incluiu Portugal no mapa das temperaturas

Para a próxima semana está previsto num novo período de calor na Europa, que incluirá Portugal, anunciou esta tarde o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). Os termómetros vão chegar aos 40°C no interior.

"Durante a próxima semana, Portugal, Espanha, França e, progressivamente, os países da Europa Central e do Norte irão registar valores muito elevados de temperatura", informa o IPMA num comunicado válido até à tarde de quarta-feira.

Segundo o IPMA, "esta subida da temperatura irá fazer-se sentir a partir de segunda-feira" no território do continente, "em especial nas regiões mais interiores".

"Nestas regiões, a temperatura máxima atingirá valores de 40°C, ou próximos, em alguns locais, assim como em muitas regiões da parte central e sul de Espanha".

Já em França, "os valores mais elevados da temperatura serão atingidos a partir do meio da semana", na quarta-feira, "prevendo-se valores máximos entre 35 e 40°C em grande parte do território francês".

O IPMA explica que "esta subida da temperatura do ar se deve à persistência de uma região de altas pressões sobre o Mediterrâneo Ocidental e França" e "ao consequente transporte de ar muito quente do Norte de África e do interior da Península Ibérica".

"Embora haja semelhanças entre esta situação meteorológica e aquela que originou a onda de calor na Europa no final de junho de 2019, a previsão desta situação, para alcance de uma semana, evidencia uma situação de menor intensidade e de menor persistência do que a verificada no passado mês de junho", adianta o IPMA.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.