Tejo sem barcos na segunda-feira à tarde devido a plenários

Trabalhadores vão analisar o resultado da negociação coletiva que decorreu na Transtejo e na Soflusa, as empresas que asseguram a ligação por barco entre as duas margens do rio Tejo.

O transporte fluvial da Transtejo e da Soflusa será interrompido temporariamente esta segunda-feira à tarde devido à realização de plenários dos trabalhadores das empresas que ligam, por barco, Lisboa e a margem sul do Tejo. De acordo com a Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (FECTRANS), os plenários, com paralisação da atividade, foram convocados "para analisar o resultado da negociação coletiva na Transtejo e na Soflusa".

O plenário paralisação na Transtejo será entre as 14.30 e as 17.30 e o da Soflusa entre as 13.55 e as 15.55. De acordo com um aviso na página da Transtejo/Soflusa na Internet, ocorrerá na segunda-feira à tarde uma interrupção temporária de serviço em todas as ligações fluviais entre o Barreiro e o Terreiro do Paço e entre Cacilhas e o Cais do Sodré.

No sentido Barreiro-Terreiro do Paço, a última carreira será efetuada pelo barco das 13.25, sendo a ligação retomada às 16.20. No sentido inverso, entre o Terreiro do Paço e o Barreiro, o último barco será o das 13.55 e o primeiro a retomar a ligação o das 16.50.

A ligação entre Cacilhas e o Cais do Sodré estará interrompida entre as 14.20 e as 17.35 e, entre o Cais do Sodré e Cacilhas, entre as 14.35 e as 17.50.

O último barco sai do Montijo às 13.30, sendo a ligação retomada às 18.30 em direção ao Cais do Sodré. Do Cais do Sodré sai um barco às 14.00, sendo o próximo apenas às 18.00.

Já na carreira Seixal-Cais do Sodré os barcos não circularão entre as 14.00 e as 18.15 e, no sentido inverso, entre as 13.00 e as 17.55.

A ligação fluvial entre Trafaria-Porto Brandão-Belém estará interrompida das 13.00 às 19.00, entre Porto Brandão-Belém das 13.10 às 18.10 e entre Belém- Porto Brandão-Trafaria das 13.30 às 18.30.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.