Apenas três municípios candidataram-se a financiamento para limpeza das florestas

As candidaturas à linha de crédito decorrem até 30 de setembro. A falta de limpeza de terrenos já motivou mais de oito mil autos de contraordenação.

Apenas três municípios, designadamente Sardoal, Baião e Viana do Castelo, apresentaram, até ao momento, candidaturas à linha de crédito deste ano para limpeza da floresta, revelou este domingo fonte do Ministério da Administração Interna, contabilizando-se 408 mil euros atribuídos.

"Candidataram-se, até ao momento, três municípios. Todos tiveram resposta favorável e a transferência do montante solicitado já foi efetuada", avançou à Lusa o gabinete do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, sem adiantar mais informação sobre o valor atribuído, recordando que "os municípios podem candidatar-se à linha de crédito até 30 de setembro".

A Lusa questionou estes três municípios, que já se tinham candidatado à linha de crédito em 2018 e que confirmaram a aprovação das candidaturas deste ano para financiamento da limpeza da floresta, contabilizando-se, no total, 407 069 euros transferidos este ano.

Criada para apoiar os municípios no pagamento das despesas relacionadas com os trabalhos de limpeza de terrenos florestais, no âmbito das redes secundárias de faixas de gestão de combustível, esta linha de crédito, à semelhança de 2018, dispõe de um montante global de 50 milhões de euros, em que "não estão definidos valores mínimos nem máximos" a que cada município está sujeito para aceder ao financiamento.

O decreto-lei que estipula a criação desta linha de crédito "define os procedimentos tendo em vista a atribuição de subvenções reembolsáveis aos municípios, destinadas a financiar as despesas em que estes incorram com a gestão de combustível nas redes secundárias, em substituição dos proprietários e outros produtores florestais que incumpram o dever" de limpeza de terrenos.

Duas destas três autarquias não tinham conseguido financiamento em 2018

A Câmara Municipal de Sardoal disse que "foi transferido para o município o valor de 91 817,20 euros, no passado dia 15 de julho", em relação à candidatura deste ano, referindo que, em 2018, "o Governo não cumpriu com as regras definidas", nomeadamente os prazos estipulados, pelo que "a candidatura de Sardoal ficou sem efeito". "O município de Sardoal já efetuou todos os procedimentos de contratação de uma empresa especializada no ramo que já se encontra no terreno a efetuar os respetivos trabalhos", adiantou a autarquia do distrito de Santarém.

Relativamente ao município de Baião, no distrito do Porto, a Câmara Municipal indicou que a candidatura, em 2018, à linha de crédito "não foi aprovada", referindo que, este ano, "a candidatura foi submetida, aprovada e o valor de 173 491,88 euros foi transferido em 6 de agosto". A autarquia de Baião disse, ainda, que "o valor transferido é o mesmo que foi pedido no momento da candidatura".

Ao contrário de Sardoal e Baião, o município de Viana do Castelo obteve financiamento da candidatura, em 2018, à linha de crédito, com a transferência de 164 714 euros, o que aconteceu em 27 de maio deste ano, registando-se "despesas efetuadas e confirmadas num total de 184.198 euros (195 249,88 euros com IVA)".

Em relação à linha de crédito deste ano, a Câmara Municipal de Viana do Castelo revelou que a candidatura apresentada foi no valor de 159 mil euros com despesas elegíveis em 141.760 euros (com IVA) e a transferência foi de "141 760 euros, efetuada em 06 de agosto". "A prestação de serviço ainda se encontra a decorrer num valor 150 mil euros (sem IVA) - 159 mil euros com IVA", acrescentou a autarquia de Viana do Castelo.

Até 30 de setembro, os municípios podem candidatar-se à linha de crédito para financiamento da limpeza da floresta, de forma a assegurarem o pagamento das despesas dos trabalhos, no montante total de 50 milhões de euros, tal como aconteceu em 2018.

18 municípios no ano passado

Em 2018, foram 18 os municípios que se candidataram à linha de crédito, designadamente as Câmaras Municipais de Torres Novas, Vagos, Covilhã, Fundão, Pombal, Valença, Vila Nova de Cerveira, Penalva do Castelo, Baião, Águeda, Cadaval, Penela, Sardoal, Viana do Castelo, Arganil, Sever do Vouga, Amarante e Condeixa-a-Nova, solicitando um montante total de 6 928 478 euros.

No entanto, "desses 18 [dos 278 municípios do Continente] só 11 eram elegíveis e até 31 de dezembro nem todos preenchiam os requisitos necessário", afirmou o primeiro-ministro, António Costa, em abril deste ano, acrescentando que, "até ao momento, só dois municípios - Torres Novas e Vagos - obtiveram financiamento" e admitindo que este "recurso insuficiente" à linha de crédito se deva a muitos municípios "não terem tido conhecimento antecipado" da mesma ou por se tratar de um novo mecanismo.

Na sequência das dificuldades na apresentação de candidaturas à linha de credito, a Assembleia da República recomendou ao Governo que melhore as condições de crédito ao financiamento da limpeza florestal por parte dos municípios, segundo uma resolução publicada, em 23 de maio, em Diário da República.

Mais de oito mil multas por falta de limpeza

De acordo com os dados divulgados em fevereiro deste ano pela Guarda Nacional Republicana (GNR), até à data já tinham sido levantados pelo menos 8425 autos de notícias por contraordenação devido à falta de limpeza de terrenos florestais durante 2018.

"Ainda durante o ano de 2018, a GNR, através do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) e do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS), realizou 9 737 ações de sensibilização, que atingiram um universo de 143 650 pessoas", avançava esta força de segurança, num balanço da operação "Floresta Protegida".

Relativamente ao valor total das coimas aplicadas no ano passado, a GNR disse que não dispõe de dados, escusando-se ainda a indicar a localização dos 8 425 autos de notícia por contraordenação devido à falta de gestão de combustíveis.

Na sequência dos incêndios de 2017, em Pedrógão Grande (distrito de Leiria) e noutras zonas das regiões Centro e Norte, que provocaram mais de 100 vítimas mortais, o Governo criou o Regime Excecional das Redes Secundárias de Faixas de Gestão de Combustível, inserido no Orçamento do Estado para 2018, que introduz alterações à lei de 2006 do Sistema Nacional de Defesa da Floresta Contra Incêndios (SNDFCI).

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.