Ana descobriu o naturismo ao procurar trabalho e passou a integrar a comunidade

Ana, 30 anos, técnica de turismo, começou a fazer naturismo há dois anos por imperativo do destino. Estava desempregada e o trabalho que encontrou foi num parque naturista no Alentejo.

"O trabalho era vestida, mas à medida que se aproximava o verão as pessoas começaram a andar mais despidas e percebi que estavam sempre muito alegres, uma alegria que também queria para a minha vida", contou à agência Lusa.

Decidiu experimentar, até porque para usufruir dos espaços tinha de estar sem roupa. Depois levou o marido e a filha e hoje fazem parte da comunidade naturista.

Os pais, confessa, também têm alguma curiosidade, mas "já têm alguma idade". Considera o naturismo "uma prática muito agradável", que ajuda a lidar com as inseguranças.

"O meu ambiente favorito é o campismo, até pela segurança para quem tem crianças. É um espaço fechado, quem entra tem de se registar", disse.

Ana Silva trabalhou apenas uma temporada no parque e tem hoje outra atividade no setor do turismo, mas defende que existe mercado em Portugal para estes espaços, muito procurados por franceses, holandeses e britânicos, além de alguns espanhóis, pela proximidade geográfica.

"Existem alguns espaços noutros pontos do país, mas podia haver mais. Só que é preciso um grande investimento, num espaço pequeno e há muita burocracia", afirmou.

Apesar da experiência positiva reconhece que o naturismo não é para todos: "Há pessoas que gostam de andar nuas em casa e aí facilmente vão gostar, mas também há pessoas que nem em casa se sentem bem sem roupa. Não é para essas pessoas".

Rogério Senhorinho, cirurgião, começou a praticar naturismo há 15 anos, em Portugal, mas também em Espanha, e admite que no país há ainda "um grande défice de espaços", sejam praias ou unidades hoteleiras.

"Em Espanha não há praias oficiais, pode praticar-se em qualquer praia. Cá não dá contraordenação, mas normalmente há uma abordagem da Polícia Marítima, se houver uma queixa", conta.

Escolheu o naturismo pela liberdade e pelo bem-estar, que, afirma, não consegue sentir de outra forma: "Quando voltamos a vestir o fato de banho parece que está ali alguma coisa a mais, a roupa fica molhada, incomoda".

Estima também outro fator - "Quando estamos sem roupa somos todos iguais, em termos de classe social. Ninguém está a reparar que marca se está a usar".

"Quando estamos sem roupa somos todos iguais, em termos de classe social"

Naturistas de várias partes do mundo reúnem-se em congresso de quinta-feira a domingo na Costa da Caparica, Almada, o único concelho do país onde existem duas praias oficiais para a prática, num total de oito a nível nacional, de acordo com dados da Federação Portuguesa de Naturismo.

Estima-se que em Portugal existam cerca de 10.000 adeptos de naturismo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".