Ameaça de bomba leva PSP a evacuar na Universidade do Algarve. Suspeito é antigo docente

Pessoas foram retiradas da Escola Superior de Educação, da Escola Superior de Hotelaria e de outro edifício próximo no Campus da Penha, em Faro.

Um alerta feito para a Universidade do Algarve, já depois das 11.00 desta quarta-feira, levou a PSP de Faro a evacuar a Escola Superior de Educação e Comunicação, a Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo e um outro edifício próximo no Campus da Penha, confirmou ao DN fonte das relações públicas da Polícia farense.

O diretor da Escola Superior de Educação e Comunicação, António Guerreiro, disse, em entrevista ao Jornal de Notícias, que a ameaça de bomba terá sido feita por um antigo docente da Universidade do Algarve, que já terá sido levado para a esquadra de Faro. O suspeito terá conflitos por resolver com a universidade e disse à PSP que estaria uma bomba numa sala da instituição.

Segundo a fonte, no local estão 25 agentes com várias valências, como investigação, trânsito e patrulha. Foi analisada a credibilidade da ameaça, eventuais motivações e quem poderá ter feito a ameaça.

No local está também uma Equipa de Inativação de Engenhos Explosivos da PSP para atuar se for identificada a eventual presença de um objeto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.