Agricultura recorre cada vez mais a imigrantes, alguns sem papéis

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras fiscalizou uma exploração agrícola em Santa Maria da Feira (Porto), em que 38, 4 % dos trabalhadores eram estrangeiros; dez estavam ilegais. E, numa operação em Odeceixe, identificaram 54 imigrantes, seis irregulares

As duas ações de fiscalização tiveram lugar a semana passada e, segundo os dirigentes do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), "visam a prevenção e a deteção de situações de tráfico de pessoas para exploração laboral agrícola, através da disseminação e recolha de informação junto dos trabalhadores estrangeiros identificados".

O que os números também mostram é que, cada vez mais, o setor agrícola recorre à mão-de-obra estrangeira. São hindustânicos, imigrantes naturais do Paquistão, Bangladesh, Índia e Nepal, maioritariamente.

Coimas variam entre dez mil e 15 mil euros

Numa ação de fiscalização na sexta-feira à zona de Santa Maria da Feira detetaram dez cidadãos estrangeiros em situação irregular e que foram notificados para abandonar o país no prazo de 20 dias. Contou com operacionais das direções regionais do Centro e Norte do SEF, além da participação dos técnicos da Autoridade para as Condições do Trabalho.

Encontraram 25 imigrantes num total de 65 da mesma exploração. Quinze haviam já iniciado o processo para obter a autorização de residência em Portugal.

A entidade patronal dos cidadãos foi notificada e está sujeita a uma coima que pode ir até aos 15 mil euros.

Uma segunda ação de fiscalização na mesma semana, em Odeceixe, esta com a GNR, "intercetou várias viaturas de diferentes entidades empregadoras e identificaram 54 cidadãos estrangeiros, dos quais seis em situação irregular, que também foram notificados para abandonar o país",

Levantaram autos de contraordenação a duas empresas "por utilização de atividade de cidadão estrangeiro em situação ilegal, cujas coimas podem ir até aos 10 mil euros"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).