Agressões entre casal forçam avião da Ryanair a aterrar em Porto Santo

Avião da Ryanair proveniente de Londres, que seguia esta quarta-feira em direção a Tenerife, aterrou de emergência no aeroporto de Porto Santo

Uma discussão que se tornou violenta entre um homem e uma mulher, na casa dos 30 anos, levou a que um avião da Ryanair aterrasse esta quarta-feira no aeroporto de Porto Santo, uma paragem que não estava prevista.

A aeronave, um Boeing 737-8AS, seguia em direção a Tenerife mas teve de parar na sequência do momento de tensão entre o casal, que estava alcoolizado.

"Este voo de East Midlands para Tenerife foi desviado para Porto Santo após um passageiro se ter tornado desordeiro", confirmou ao DN fonte da Ryanair.

Vários dos 165 passageiros ainda tentaram separar o casal, mas sem sucesso. O piloto foi mesmo obrigado a fazer um desvio.

"O avião aterrou com normalidade e o passageiro foi desembarcado e detido pela polícia local, tendo o avião seguido a sua rota para Tenerife pouco depois", explicou a companhia aérea.

"Não toleramos em momento algum comportamento abusivo, sendo a segurança e conforto dos nossos clientes, tripulação e aeronave a nossa principal prioridade. Este tema é agora um caso para a polícia local", acrescentou a Ryanair, num comentário enviado à nossa redação.

As companhias aéreas afirmam que os passageiros desordeiros são um grande problema para a indústria de aviação, e a Associação Internacional de Transportes Aéreos contabilizou 58 mil incidentes com passageiros entre 2007 e 2016.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.