Agressões entre casal forçam avião da Ryanair a aterrar em Porto Santo

Avião da Ryanair proveniente de Londres, que seguia esta quarta-feira em direção a Tenerife, aterrou de emergência no aeroporto de Porto Santo

Uma discussão que se tornou violenta entre um homem e uma mulher, na casa dos 30 anos, levou a que um avião da Ryanair aterrasse esta quarta-feira no aeroporto de Porto Santo, uma paragem que não estava prevista.

A aeronave, um Boeing 737-8AS, seguia em direção a Tenerife mas teve de parar na sequência do momento de tensão entre o casal, que estava alcoolizado.

"Este voo de East Midlands para Tenerife foi desviado para Porto Santo após um passageiro se ter tornado desordeiro", confirmou ao DN fonte da Ryanair.

Vários dos 165 passageiros ainda tentaram separar o casal, mas sem sucesso. O piloto foi mesmo obrigado a fazer um desvio.

"O avião aterrou com normalidade e o passageiro foi desembarcado e detido pela polícia local, tendo o avião seguido a sua rota para Tenerife pouco depois", explicou a companhia aérea.

"Não toleramos em momento algum comportamento abusivo, sendo a segurança e conforto dos nossos clientes, tripulação e aeronave a nossa principal prioridade. Este tema é agora um caso para a polícia local", acrescentou a Ryanair, num comentário enviado à nossa redação.

As companhias aéreas afirmam que os passageiros desordeiros são um grande problema para a indústria de aviação, e a Associação Internacional de Transportes Aéreos contabilizou 58 mil incidentes com passageiros entre 2007 e 2016.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.