Polícia Judiciária está em Borba a apoiar o Ministério Público

Agentes estão a fazer diligências na sequência do inquérito aberto pelo Ministério Público.

Uma equipa da Polícia Judiciária (PJ) está esta quarta-feira em Borba a proceder a investigações para apurar as circunstâncias do deslizamento de terras para pedreiras e o colapso de um troço de estrada, confirmou ao DN fonte policial.

De acordo com a mesma fonte, a intervenção da PJ surge na sequência de um inquérito instaurado pelo Ministério Público (MP) ao acidente ocorrido na tarde de segunda-feira na zona de Borba, distrito de Évora, e que provocou, pelo menos, dois mortos, além de haver três pessoas desaparecidas.

O MP instaurou um inquérito para "apurar as circunstâncias que rodearam a ocorrência", segundo a Procuradoria-Geral da República, em resposta enviada à agência Lusa.

O deslizamento de um grande volume de terra da estrada, que provocou "a deslocação de uma quantidade muito significativa de rochas, de blocos de mármore e de terra para o interior de pedreiras contíguas ocorreu às 15:45 de segunda-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.